Notícias

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Observamos que ao longo do pós-pregão de hoje, dia 02, as negociações não tiveram a continuidade esperada, sobretudo pelos corretores. As 8 mil sacas que ainda aguardam escoamento seguem armazenadas em busca de colocação.


Observamos que ao longo do pós-pregão de hoje, dia 02, as negociações não tiveram a continuidade esperada, sobretudo pelos corretores. As 8 mil sacas que ainda aguardam escoamento seguem armazenadas em busca de colocação. 

 

Vale informar que neste momento ocorre um travamento entre os dois setores no tocante aos preços. Ou seja, os corretores permanecem firmes, enquanto que os compradores seguem cautelosos e sem demonstrar interesse urgente.

Como exemplo dessa tendência podemos citar o feijão extra que segue na média entre R$ 173,00 e R$ 175,00/sc. Mesmo diante das propostas, o corretor prefere apostar no pregão de amanhã.

Já as ofertas do feijão comercial (8,5) quase foram completamente escoadas ao preço de R$ 155,00/sc.

Observa-se, portanto, que o setor de vendas mantém firmeza nos preços com a intenção de conseguir reajustá-los. Esse objetivo se pauta na necessidade de aquisição logo no início da semana, e ainda pela proximidade do feriado da semana que vem.

Assim sendo, o cenário se torna propício para que os preços permaneçam estáveis até que a demanda comece a reagir em busca de reposição.

Resta acompanharmos o desenrolar do mercado para conferir até onde vai essa atitude dos corretores, e ainda para observarmos como os compradores reagirão até o final da semana.


Notícias relacionadas

O mercado foi firme até o fechamento do pregão de hoje. Mas neste momento segue susceptível de variação de acordo com a lei da oferta/demanda.

Produção de feijão vai crescer 487% na Bahia

O pós pregão de hoje, dia 09, não deu continuidade às vendas de forma satisfatória, pelo menos para o setor de vendas.

A semana encerra com ofertas reduzidas, preços estáveis e com poucas vendas realizadas, na zona cerealista

O último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicou que ocorrerá um significativo aumento das ofertas do feijão carioca e outros, a partir de setembro.

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%