Notícias

Ao longo do pós pregão de hoje, dia 26, observamos que os preços permaneceram firmes e os corretores em nada flexíveis no tocante às negociações. As vendas ocorreram, porém em pequena escala.

Das mercadorias que sobraram, as vendas não foram melhores em razão da ausência dos grãos (8,5) - R$ 155,00/sc, que inclusive foram vendidas na totalidade na madrugada de hoje, além das poucas ofertas de feijão nota (8) comercial.


Zona Cerealista

 

Ao longo do pós pregão de hoje, dia 26, observamos que os preços permaneceram firmes e os corretores em nada flexíveis no tocante às negociações. As vendas ocorreram, porém em pequena escala.

 

Das mercadorias que sobraram, as vendas não foram melhores em razão da ausência dos grãos (8,5) - R$ 155,00/sc, que inclusive foram vendidas na totalidade na madrugada de hoje, além  das poucas ofertas de feijão nota (8) comercial. 

 

Neste momento podemos considerar que o mercado enfrenta dificuldade para receber novas ofertas, uma vez que as sobras neste momento somam aproximadamente 10 mil sacas, sendo 50% deste volume feijão para embarque (comercial). As demais ofertas encontram-se na zona cerealista, mas sem conseguir colocação de vendas. 

 

Os grãos extras (9,5) somam aproximadamente 5 mil sacas (R$ 180,00) que ainda seguem buscando aceitação entre os compradores, mas estes ainda não se lançaram em busca de tal padrão. Já as ofertas de feijão comercial (7) a pedida chega a R$ 115,00/sc.

 

Lavouras

 

Nas lavouras, os produtores paulistas estão recuados. Eles seguem aguardando que a demanda surja naturalmente, já que esperam conseguir negociações em cima de suas pedidas iniciais, com cifras de até R$ 200,00/sc.

 

No entanto, até o fechamento deste boletim nada havia sido negociado. A boa presença de compradores na região acaba provoca essa resistência na maior parte dos produtores.

 

Rose Almeida

Negócios & mercado


Notícias relacionadas

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada