Notícias

Sead recebe demandas da Contag para Plano Safra 2017/2018


A Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) recebeu, na tarde desta segunda-feira (17), as propostas da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) para o Plano Safra 2017/2018. A entrega do documento faz parte da agenda da Sead para a construção de um programa em parceria entre o governo, os movimentos sociais e representantes da agricultura familiar do país. Entre as reivindicações, a Contag pede a redução da taxa de juros; a manutenção do montante destinado na safra anterior, de R$ 30 bilhões. A Sead espera encerrar as negociações até o fim de maio.

 

 

As discussões em torno do assunto envolvem ainda os ministérios da Fazenda e do Planejamento, além do Banco Central. O esforço da Sead é para viabilizar o que for possível e necessário para fortalecer a agricultura famiiar. "Estamos em um ano difícil de manter as coisas como estão, mas já há sinalizações mais positivas, como a redução da selic, da inflação, ou seja, temos um ambiente favorável para negociar ", explicou o secretário da Sead, José Ricardo Roseno.

O Plano Safra da Agricultura Familiar financia o custeio da safra anual dos produtores. Dentro do universo da agricultura familiar, trabalha diretamente com a oferta do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Na última safra, 2016/2017, o valor de R$ 30 bilhões superou todos os investimentos feitos no programa. Além disso, as taxas de inflação foram modificadas, com recuo de 5,5% para 2,5% ao ano para produtores de alimentos agroecológicos e que integram a cesta básica de alimentos, a exemplo do arroz, feijão, café, batata, trigo e leite. 

 

 

A intenção da Contag é baixar a taxa para 2,4% ao ano. "Precisamos diminuir os juros por causa da realidade economica do país e para compatibilizar os custos com a produão de alimentos. Também queremos melhorar as atuais linha de crédito, o volume para custeio; melhorar o seguro agrícola e o crédito fundiário, para a compra de terra para a agricultura familiar", defendeu o presidente da Contag, Alberto Ercílio Broch. Segundo ele, a proposta foi construída com a ajuda das 27 federações do país.

 

Fonte:Agrolink

Crédido SEAD

 


Notícias relacionadas

Pregão desta quarta (19) transcorre com poucas vendas, mas corretores continuam firmes e com preços em alta.

Pós pregão encerra mercado em calmaria e com perspectiva de surpresas para a próxima semana

O mercado segue paralisado e sem interesse por parte dos compradores em novas aquisições, tendo em vista que para este momento o abastecimento já foi realizado ao longo da semana.

Mercado de feijão carioca, abre em queda nesta quarta-feira, dia 05, na Zona Cerealista.

Pregão desta terça (04) registra calmaria nas vendas e compradores dando preferência ao feijão comercial

Pregão desta terça (04) registra calmaria nas vendas e compradores dando preferência ao feijão comercial

Neste momento as ofertas que circulam na zona cerealista são apenas para embarque, com exceção das mercadorias do feijão extra, que somam aproximadamente 3 mil sacas.

Ao longo do pós pregão de hoje, dia 26, observamos que os preços permaneceram firmes e os corretores em nada flexíveis no tocante às negociações. As vendas ocorreram, porém em pequena escala.

Durante o pós-pregão de hoje, dia 22, o mercado operou com boa movimentação de vendas pela modalidade de embarque. O maior volume comercializado foi do feijão carioca de padrão comercial (8,5).

Após dias de um longo feriado o pregão desta quarta-feira (21) abriu com preços em alta, ofertas reduzidas e com um mercado completamente recuado.

Primeira safra do Feijão carioca ? Minas Gerais e Goiás

Mercado abre semana com preços em alta e vendas tímidas, porém com tendência de melhorar a movimentação

Nem sempre a sexta-feira é sinônimo de término de vendas. E nessa perspectiva observamos que o pós pregão de hoje foi bem atípico.

Mercado abre semana com um bom fluxo de vendas e preços mantendo estabilidade

Intempéries do clima podem provocar perdas na safra do feijão carioca no sudoeste paulista

Pregão desta terça (30) abre com volume razoável de ofertas, porém vendas ainda seguem em calmaria

Pregão desta segunda (29) começa semana com boas vendas e mercado em movimento

O mercado de feijão carioca e preto, desta sexta-feira (26) praticamente não aconteceu, tendo em vista que a presença de compradores foi praticamente nenhuma e, portanto, não existiram negociações.

A colheita no sudoeste paulista já está em andamento há pelo menos três semanas. Além disso, os bons resultados em termos de qualidade dos grãos é algo que podemos destacar.

Mesmo com vendas retraídas, pregão desta quarta (24) mantém preços firmes