Notícias

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Produção do Brasil será de 3,07 milhões de toneladas


Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento CONAB, a produção brasileira de feijão da safra 2018/19 deverá alcançar 3,07 milhões de toneladas, que será praticamente igual à do ano passado, quando foram colhidas 3,12 milhões de toneladas, ou uma redução de apenas 1,4%. O maior volume, deste total, é obtido na segunda safra, que neste ano representa 45%. Já a primeira safra que no passado foi a principal, contribuiu com 32% e em menor escala a terceira safra com 23%. Da produção total estimada para esta safra, o feijão de cor representa 62%, caupi 21% e o preto com 17%. O caupi vem ganhando espaço nos últimos anos e além dos estados nordestinos, sem cultivo também está presente em grandes áreas no Mato Grosso.

 

 

Deslocamento da oferta

 

Algumas mudanças na agricultura brasileira e principalmente no Paraná estão deslocando a curva de oferta de feijão para outro período do ano. Com a crescente necessidade de se produzir cada vez mais soja, esta cultura vem ocupando grandes áreas e tomando espaços antes destinados aos produtos alimentícios. Assim sendo, o cultivo de milho e feijão passou para a segunda safra, ou seja, após a colheita da soja que ocorre durante os meses de janeiro a março.

 

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de 442.000 toneladas. As condições climáticas estavam favoráveis durante a maior parte do seu ciclo, porém no final de colheita o excesso de chuvas afetou as lavouras que ainda ocupavam 30% dos 230.500 hectares cultivados. Segundo produtores e técnicos dos Núcleos Regionais, as lavouras que estavam prontas para colher e principalmente àquelas dessecadas, sofreram perdas tanto em quantidade como em qualidade.

 

 

Atualmente, a colheita já atingiu 96% e o novo levantamento indica uma redução de 18% sobre a produção inicial de 442.000 toneladas. Com a perda de 80.000 toneladas, o Paraná deverá colher aproximadamente 362.000 toneladas de feijão nesta segunda safra.

 

Preços poderão aumentar

 

Durante a última semana os produtores receberam em média de R$ 119,00 pela saca de 60 kg de feijão de cor e R$ 116,00 pela saca de 60 kg para o preto. As notícias de falta de chuvas na Bahia, importante produtor nesta época do ano, poderão influenciar no aquecimento dos preços a partir de agosto ou setembro quando a disponibilidade do produto é menor.

 


Deral - Departamento de Economia Rural 

Crédito de Imagem:  Agrocerqueiracesar


Notícias relacionadas

*SAFRA DAS ÁGUAS PARANÁ 2019/2020*

Oeste da Bahia vai ganhar o 1° polo de irrigação do NE

AgroNordeste vai ajudar a reduzir as diferenças regionais

Oeste da Bahia vai ganhar o 1° polo de irrigação do NE

Safra das Águas - Sudoeste Paulista

O mercado foi firme até o fechamento do pregão de hoje. Mas neste momento segue susceptível de variação de acordo com a lei da oferta/demanda.

Produção de feijão vai crescer 487% na Bahia

O pós pregão de hoje, dia 09, não deu continuidade às vendas de forma satisfatória, pelo menos para o setor de vendas.

A semana encerra com ofertas reduzidas, preços estáveis e com poucas vendas realizadas, na zona cerealista

O último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicou que ocorrerá um significativo aumento das ofertas do feijão carioca e outros, a partir de setembro.

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo