Notícias

Pregão desta quarta (19) transcorre com poucas vendas, mas corretores continuam firmes e com preços em alta.

O mercado mais uma vez abriu as negociações com poucas ofertas, preços em alta e fraca comercialização. Devido ao dia da semana a presença de compradores naturalmente foi satisfatória. No entanto, as vendas não fluíram bem.


Pregão desta quarta (19) transcorre com poucas vendas, mas corretores continuam firmes e com preços em alta.

 

O mercado mais uma vez abriu as negociações com poucas ofertas, preços em alta e fraca comercialização. Devido ao dia da semana a presença de compradores naturalmente foi satisfatória. No entanto, as vendas não fluíram bem.

 

Por outro lado temos um setor de vendas resistente e sem interesse em vender as ofertas a qualquer preço. A grande prova disso é que nesta madrugada Os grãos (9,5 de cor) foram disponibilizados com pedida de até R$ 200,00/sc. No entanto sem comprador interessado, o corretor chegou nos R$ 195,00/sc,  porém não fechou, encerrou o pregão com preço nominal.

 

Vale observar que as vendas para os referidos padrões não será uma tarefa fácil, visto que os compradores têm como foco principal as próprias lavouras, pois buscam fugir dos preços elevados na zona cerealista. Portanto, os compradores que vieram na necessidade, optaram se abastecer com o feijão (9-9), negociado em R$ 185,00/sc - final. 

 

As poucas ofertas do feijão mais fraco tiveram venda em R$ 175,00/sc. O fato é que este agradou o comprador nos dois aspectos,  preço e qualidade.

 

Assim sendo, a pequena oferta disponível foi zerada. As demais ofertas dos padrões (7-7 / 8-8) não estavam disponíveis fisicamente, porém o comprador sabe da existência para embarque e, caso necessário, buscará mais informações, sobretudo dos preços.

 

De modo geral o mercado segue com preços em alta e uma baixa oferta disponível para venda. Tal cenário se mostra justificável em razão do término da semana que já se aproxima.

 

Rose Almeida

Negócios & mercado


Notícias relacionadas

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada