Notícias

O pregão desta quarta-feira, 21, operou com um quadro apertado nas ofertas, ou seja, disponibilizando aproximadamente 11.840 sacas do feijão carioca.

Na manhã de hoje tivemos o registro de três viagens do feijão extra (9-9), que foi negociado na média entre R$ 125,00 e R$ 127,00/sc. A diferença mínima nos preços está associada ao padrão de qualidade. As ofertas de padrão comercial continuam sofrendo pressão nos preços. O compradores se lançaram no mercado, porém com uma proposta menor que a sugerida pelos corretores. Portanto, alguns lotes que não foram negociados carregam a chance de serem vendidos ao longo do dia, tendo em vista que as melhores ofertas distribuídas dentro de determinas classificações, já foram escoadas. Isso significa que algumas sofreram ajuste baseado no preço versus qualidade.


O pregão desta quarta-feira, 21, operou com um quadro apertado nas ofertas, ou seja, disponibilizando   aproximadamente 11.840 sacas do feijão carioca.

 

Diante de tal volume ofertado, fica fácil observar que a demanda está bem enfraquecida. Isso tem feito com que os empacotadores passem a operar com estoques mínimos. Do mesmo modo, os corretores também seguem ofertando o mínimo necessário, pois, o objetivo continua sendo buscar equilibrar as ofertas com a demanda, e assim evitar alterações nos preços. 

 

Na manhã de hoje tivemos o registro de três viagens do feijão extra (9-9), que foi negociado na média entre R$ 125,00 e R$ 127,00/sc. A diferença mínima nos preços está associada ao padrão de qualidade.

 

As ofertas de padrão comercial continuam sofrendo pressão nos preços. O compradores se lançaram no mercado,  porém com uma proposta menor que a sugerida pelos corretores. Portanto,  alguns lotes que não foram negociados carregam   a chance de serem vendidos ao longo do dia, tendo em vista que as melhores ofertas distribuídas dentro de determinas classificações, já foram escoadas. Isso significa que algumas sofreram ajuste baseado no preço versus qualidade.

 

Outro ponto importante de frisar,  é que as ofertas para embarque ou até mesmos algumas ofertas que estão armazenadas na zona cerealista, continuam se fazendo presente,  principalmente,  aquelas mas escuras,  com preços oscilando entre R$ 60,00 e R$ 65,00/sc.

 

No geral, observamos que existe interesse dos compradores, porém as vendas seguem sendo realizadas em pequena escala, pois, se torna mais viável casar os negócios, pois assim os setores vão se comunicando sem o risco de desvantagem para ambos.

 

Rose Almeida

Negócios & Mercado


Notícias relacionadas

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada