Notícias

O mercado segue paralisado e sem interesse por parte dos compradores em novas aquisições, tendo em vista que para este momento o abastecimento já foi realizado ao longo da semana.

Apesar da calmaria, observamos que os corretores não estão demonstrando flexibilidade nos preços, que inclusive já não servem como referência para os próximos pregões.


O mercado segue paralisado e sem interesse por parte dos compradores em novas aquisições, tendo em vista que para este momento o abastecimento já foi realizado ao longo da semana. 


Apesar da calmaria, observamos que os corretores não estão demonstrando flexibilidade nos preços, que inclusive já não servem como referência para os próximos pregões. Por outro lado, sabemos que provavelmente não haverá mais abastecimento esta semana, e sendo assim, o setor de vendas se coloca numa posição difícil, já que para tentar algumas vendas teria que recuar nos valores atuais.


No tocante às últimas negociações tivemos como ponto de partida os valores de R$ 115,00 e 165,00/sc no atacado paulista. Mesmo com as mercadorias paradas e prestes a serem armazenados, os corretores preferem recuar e não vender por menos, já que nas lavouras os produtores continuam segurando os preços a qualquer custo. *Isso indica que haverá dificuldade de reposição no atacado, visto que os preços nas lavouras se mantêm firmes.


Lavouras


Nas lavouras do interior paulista os produtores se fecharam completamente, o que pode causar surpresa nos preços a serem praticados na próxima semana. Existe inclusive o risco dos valores retornarem ao patamar de preços praticados no início da semana.


Isso se justifica quando esclarecemos que o recuo desta semana foi limitado na zona cerealista, pois envolve uma série de fatores. Vale citar que nas lavouras o preço mínimo que o produtor está disposto a negociar é a partir de R$ 160,00/sc.


Portanto, de modo geral o mercado segue calmo nas vendas, mas os preços estão firmes nas *regiões de produção.


Rose Almeida

Negócios & mercado


Notícias relacionadas

Epamig produz semente genética do feijão 'ouro vermelho' em Leopoldina

Pregão desta quarta (19) transcorre com poucas vendas, mas corretores continuam firmes e com preços em alta.

Pós pregão encerra mercado em calmaria e com perspectiva de surpresas para a próxima semana

Mercado de feijão carioca, abre em queda nesta quarta-feira, dia 05, na Zona Cerealista.

Pregão desta terça (04) registra calmaria nas vendas e compradores dando preferência ao feijão comercial

Pregão desta terça (04) registra calmaria nas vendas e compradores dando preferência ao feijão comercial

Neste momento as ofertas que circulam na zona cerealista são apenas para embarque, com exceção das mercadorias do feijão extra, que somam aproximadamente 3 mil sacas.

Ao longo do pós pregão de hoje, dia 26, observamos que os preços permaneceram firmes e os corretores em nada flexíveis no tocante às negociações. As vendas ocorreram, porém em pequena escala.

Durante o pós-pregão de hoje, dia 22, o mercado operou com boa movimentação de vendas pela modalidade de embarque. O maior volume comercializado foi do feijão carioca de padrão comercial (8,5).

Após dias de um longo feriado o pregão desta quarta-feira (21) abriu com preços em alta, ofertas reduzidas e com um mercado completamente recuado.

Primeira safra do Feijão carioca ? Minas Gerais e Goiás

Mercado abre semana com preços em alta e vendas tímidas, porém com tendência de melhorar a movimentação

Nem sempre a sexta-feira é sinônimo de término de vendas. E nessa perspectiva observamos que o pós pregão de hoje foi bem atípico.

Mercado abre semana com um bom fluxo de vendas e preços mantendo estabilidade

Intempéries do clima podem provocar perdas na safra do feijão carioca no sudoeste paulista

Pregão desta terça (30) abre com volume razoável de ofertas, porém vendas ainda seguem em calmaria

Pregão desta segunda (29) começa semana com boas vendas e mercado em movimento

O mercado de feijão carioca e preto, desta sexta-feira (26) praticamente não aconteceu, tendo em vista que a presença de compradores foi praticamente nenhuma e, portanto, não existiram negociações.

A colheita no sudoeste paulista já está em andamento há pelo menos três semanas. Além disso, os bons resultados em termos de qualidade dos grãos é algo que podemos destacar.

Mesmo com vendas retraídas, pregão desta quarta (24) mantém preços firmes