Notícias

O mercado segue paralisado e sem interesse por parte dos compradores em novas aquisições, tendo em vista que para este momento o abastecimento já foi realizado ao longo da semana.

Apesar da calmaria, observamos que os corretores não estão demonstrando flexibilidade nos preços, que inclusive já não servem como referência para os próximos pregões.


O mercado segue paralisado e sem interesse por parte dos compradores em novas aquisições, tendo em vista que para este momento o abastecimento já foi realizado ao longo da semana. 


Apesar da calmaria, observamos que os corretores não estão demonstrando flexibilidade nos preços, que inclusive já não servem como referência para os próximos pregões. Por outro lado, sabemos que provavelmente não haverá mais abastecimento esta semana, e sendo assim, o setor de vendas se coloca numa posição difícil, já que para tentar algumas vendas teria que recuar nos valores atuais.


No tocante às últimas negociações tivemos como ponto de partida os valores de R$ 115,00 e 165,00/sc no atacado paulista. Mesmo com as mercadorias paradas e prestes a serem armazenados, os corretores preferem recuar e não vender por menos, já que nas lavouras os produtores continuam segurando os preços a qualquer custo. *Isso indica que haverá dificuldade de reposição no atacado, visto que os preços nas lavouras se mantêm firmes.


Lavouras


Nas lavouras do interior paulista os produtores se fecharam completamente, o que pode causar surpresa nos preços a serem praticados na próxima semana. Existe inclusive o risco dos valores retornarem ao patamar de preços praticados no início da semana.


Isso se justifica quando esclarecemos que o recuo desta semana foi limitado na zona cerealista, pois envolve uma série de fatores. Vale citar que nas lavouras o preço mínimo que o produtor está disposto a negociar é a partir de R$ 160,00/sc.


Portanto, de modo geral o mercado segue calmo nas vendas, mas os preços estão firmes nas *regiões de produção.


Rose Almeida

Negócios & mercado


Notícias relacionadas

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada