Notícias

O mercado segue paralisado e sem interesse por parte dos compradores em novas aquisições, tendo em vista que para este momento o abastecimento já foi realizado ao longo da semana.

Apesar da calmaria, observamos que os corretores não estão demonstrando flexibilidade nos preços, que inclusive já não servem como referência para os próximos pregões.


O mercado segue paralisado e sem interesse por parte dos compradores em novas aquisições, tendo em vista que para este momento o abastecimento já foi realizado ao longo da semana. 


Apesar da calmaria, observamos que os corretores não estão demonstrando flexibilidade nos preços, que inclusive já não servem como referência para os próximos pregões. Por outro lado, sabemos que provavelmente não haverá mais abastecimento esta semana, e sendo assim, o setor de vendas se coloca numa posição difícil, já que para tentar algumas vendas teria que recuar nos valores atuais.


No tocante às últimas negociações tivemos como ponto de partida os valores de R$ 115,00 e 165,00/sc no atacado paulista. Mesmo com as mercadorias paradas e prestes a serem armazenados, os corretores preferem recuar e não vender por menos, já que nas lavouras os produtores continuam segurando os preços a qualquer custo. *Isso indica que haverá dificuldade de reposição no atacado, visto que os preços nas lavouras se mantêm firmes.


Lavouras


Nas lavouras do interior paulista os produtores se fecharam completamente, o que pode causar surpresa nos preços a serem praticados na próxima semana. Existe inclusive o risco dos valores retornarem ao patamar de preços praticados no início da semana.


Isso se justifica quando esclarecemos que o recuo desta semana foi limitado na zona cerealista, pois envolve uma série de fatores. Vale citar que nas lavouras o preço mínimo que o produtor está disposto a negociar é a partir de R$ 160,00/sc.


Portanto, de modo geral o mercado segue calmo nas vendas, mas os preços estão firmes nas *regiões de produção.


Rose Almeida

Negócios & mercado


Notícias relacionadas

SAFRA DAS ÁGUAS. INICIA O SEGUNDO PLANTIO

NOTÍCIAS DO CAMPO

Nova estimativa da safra de grãos aponta aumento de 1,9%

A calmaria do mercado deu uma pequena reviravolta e já mostra um setor de vendas mais flexível para negociar.

Produção de 246 milhões de toneladas garante o recorde da safra de grãos

Conab prevê novo recorde para safra brasileira de grãos

Começa a colheita de feijão carioca no Sudoeste Paulista

*SAFRA DAS ÁGUAS PARANÁ 2019/2020*

Oeste da Bahia vai ganhar o 1° polo de irrigação do NE

AgroNordeste vai ajudar a reduzir as diferenças regionais

Oeste da Bahia vai ganhar o 1° polo de irrigação do NE

Safra das Águas - Sudoeste Paulista

O mercado foi firme até o fechamento do pregão de hoje. Mas neste momento segue susceptível de variação de acordo com a lei da oferta/demanda.

Produção de feijão vai crescer 487% na Bahia

O pós pregão de hoje, dia 09, não deu continuidade às vendas de forma satisfatória, pelo menos para o setor de vendas.

A semana encerra com ofertas reduzidas, preços estáveis e com poucas vendas realizadas, na zona cerealista

O último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicou que ocorrerá um significativo aumento das ofertas do feijão carioca e outros, a partir de setembro.

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão