Notícias

O mercado de feijão carioca, desta quarta (04) surpreende e não avança na movimentação de vendas. Mercado segue calmo e operando com sobras

A expectativa dos corretores no pregão desta quarta-feira (04) mais uma vez foi frustrada, tendo em vista que a presença de compradores não foi o suficiente para um bom escoamento. Das 13 mil sacas que foram ofertadas, ainda sobraram 10 mil. Vale lembrar que tais ofertas são sobras da semana.


O mercado de feijão carioca, desta quarta (04) surpreende e não avança na movimentação de vendas.  Mercado segue calmo e operando com sobras

 

A expectativa dos corretores no pregão desta quarta-feira (04) mais uma vez foi frustrada, tendo em vista que a presença de compradores não foi o suficiente para um bom escoamento. Das 13 mil sacas que foram ofertadas, ainda sobraram 10 mil. Vale lembrar que tais ofertas são sobras da semana. 

 

Diante do cenário apresentado nesta madrugada, chegamos a análise de que está havendo uma movimentação de certa forma atípica no que se refere ao abastecimento do setor de compras. Ou seja, aqueles compradores que demandam um volume expressivo estão se abastecendo direto nas lavouras. Isso tem ocorrido pelo simples fato de que, dessa forma, fica fácil ter acesso a algumas vantagens que permitem melhores condições de disputa junto ao mercado varejista, que por sinal anda bastante competitivo.

 

Pela calmaria do mercado, se torna fácil entender que o preço daquelas ofertas ainda sem escoamento, permanecem de forma nominal. Além do exposto até o momento, devemos informar que a ausência de compradores que costumam recolher mostras, já é um indicativo de que o pós pregão de hoje não deverá avançar nas possibilidades de vendas.

 

Por outro lado, os corretores que operam no pregão seguem disputando os compradores daqui mesmo da zona cerealista,  uma vez que os compradores das cidades vizinhas já deram sinais de que acompanham o mercado, mas preferem o abastecimento junto às lavouras.

 

Portanto, é realidade que o pregão de hoje encerrou sem expectativas de que o dia venha a ser promissor para as vendas. A ausência de novos embarques deixa claro que neste momento os corretores deverão se utilizar mais da modalidade de venda para embarque,  principalmente para o feijão extra, que teve o último registro de venda em R$ 120,00/sc - final.


Notícias relacionadas

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada