Notícias

Neste momento as ofertas que circulam na zona cerealista são apenas para embarque, com exceção das mercadorias do feijão extra, que somam aproximadamente 3 mil sacas.

Os melhores padrões seguem a média de R$ 185,00/sc, incluindo a comissão. Neste momento os corretores tomam certa cautela na oferta, pois não dispõem de autorização para vender por menos.


Zona Cerealista

 

Neste momento as ofertas que circulam na zona cerealista são apenas para embarque, com exceção das mercadorias do feijão extra, que somam aproximadamente 3 mil sacas.

 

Os melhores padrões seguem a média de R$ 185,00/sc, incluindo a comissão. Neste momento os corretores tomam certa cautela na oferta, pois não dispõem de autorização para vender por menos.

 

Devido ao baixo volume de ofertas, o setor de vendas se mantém otimista e na expectativa de que amanhã as chances melhorem. A probabilidade é legítima, uma vez que os compradores deverão retornar à normalidade das aquisições diárias. 

 

É importante explicar que os grãos vendidos anteriormente na média R$ de 145,00 a R$ 175,00/sc seguem nominalmente, uma vez que não existem mais ofertas neste momento.  Isso mostra que o mercado encerra o dia firme e com boas expectativas para pregão futuro.

 

Lavouras

 

Neste momento a pretensão dos produtores é manter o valor vigente de R$ 180/sc. Eles preferente insistir um pouco mais na espera e apostar em novas reposições do setor de compras até o fim desta semana.

 

Contudo,  é importante frisar que ambos os setores estão recuados. Mesmo assim, ainda se mantém a estratégia de aguardar que a demanda surja naturalmente.

 

Este mesmo cenário se repete nas lavouras dos estados de Goiás e Minas Gerais, onde as mercadorias alcançaram seus maiores preços entre R$ 140,00 e R$ 180,00/sc.

 

 

 

 

Rose Almeida

Negócios & mercado

Crédito da imagem:  sindicatoruraldesorriso.com.br


Notícias relacionadas

Produção brasileira de grãos deve chegar a 268,3m/t

Calor persiste no Sudeste nos próximos dias

Paraná deve produzir 24 milhões de toneladas na safra de Verão

Mais chuva no Sul

Com câmbio em alta, mercado de defensivos deve recuar 11% em 2020, diz Sindiveg

Área coberta com seguro rural já supera 10 milhões de hectares

Área coberta com seguro rural já supera 10 milhões de hectares

Conab lança nesta terça-feira ferramenta de acompanhamento do plantio e coleta de grãos

Conab lança nesta terça-feira ferramenta de acompanhamento do plantio e coleta de grãos

Epamig produz semente genética do feijão 'ouro vermelho' em Leopoldina

Pregão desta quarta (19) transcorre com poucas vendas, mas corretores continuam firmes e com preços em alta.

Pós pregão encerra mercado em calmaria e com perspectiva de surpresas para a próxima semana

O mercado segue paralisado e sem interesse por parte dos compradores em novas aquisições, tendo em vista que para este momento o abastecimento já foi realizado ao longo da semana.

Mercado de feijão carioca, abre em queda nesta quarta-feira, dia 05, na Zona Cerealista.

Pregão desta terça (04) registra calmaria nas vendas e compradores dando preferência ao feijão comercial

Pregão desta terça (04) registra calmaria nas vendas e compradores dando preferência ao feijão comercial

Ao longo do pós pregão de hoje, dia 26, observamos que os preços permaneceram firmes e os corretores em nada flexíveis no tocante às negociações. As vendas ocorreram, porém em pequena escala.

Durante o pós-pregão de hoje, dia 22, o mercado operou com boa movimentação de vendas pela modalidade de embarque. O maior volume comercializado foi do feijão carioca de padrão comercial (8,5).

Após dias de um longo feriado o pregão desta quarta-feira (21) abriu com preços em alta, ofertas reduzidas e com um mercado completamente recuado.

Primeira safra do Feijão carioca ? Minas Gerais e Goiás