Notícias

Nem sempre a sexta-feira é sinônimo de término de vendas. E nessa perspectiva observamos que o pós pregão de hoje foi bem atípico.

Os compradores finalmente saíram às compras. E o mais interessante foi que não houve a necessidade de aguardar prazo pra entrega, tendo em vista que os padrões negociados até o momento encontravam-se parados na zona cerealista desde a segunda-feira.


 

Zona cerealista

Nem sempre a sexta-feira é sinônimo de término de vendas. E nessa perspectiva observamos que o pós pregão de hoje foi bem atípico.

Os compradores finalmente saíram às compras. E o mais interessante foi que não houve a necessidade de aguardar prazo pra entrega, tendo em vista que os padrões negociados até o momento encontravam-se parados na zona cerealista desde a segunda-feira. 

Dentre as ofertas que praticamente foram escoadas na totalidade estavam padrões como o feijão (8,5), vendido em R$ 110,00/sc, mais o acréscimo das despesas.

As demais negociações também ocorridas hoje foram para o feijão comercial. Neste caso fica difícil precisar valor e padrão. No entanto, trata-se dos grãos negociados para embarque, onde os preços sugeridos e praticados giram na média de R$ 90,00 a R$ 105,00/sc. 

Feriado prolongado

Sabemos que os compradores da zona cerealista não fecharão todos os dias, mas apenas no feriado nacional. Logo, os negócios terão continuidade, tanto para os compradores da zona cerealista ou para aqueles que costumam negociar direto nas lavouras paulistas.

 

Sendo assim,  o que não funcionará são as vendas realizadas no pregão. Porém, alguns dos corretores estão deixando explícito que atenderão normalmente caso surja alguma demanda nos intervalos entre dias úteis e feriados.  

Lavouras

 

Nas lavouras, o frenesi nas vendas também foi perceptível. Isso indica que o mercado deve estar se abastecendo em razão do feriado.

Portanto, quem quiser mercadoria extra, recém colhida, terá que disputar com os corretores no interior paulista. 

As vendas seguem firmes, com preços variando entre R$ 110,00 e R$ 120,00/sc. Vale informar que toda essa movimentação repentina provocou um visível recuo nos produtores,  deixando o mercado sem ofertas.

Com compradores de outros estados como Paraná e Goiás, o estado de São Paulo tem sido o maior responsável pelo escoamento da produção, reforçando a tese de que a zona cerealista não é palco de grandes movimentações. Isso fica ainda mais claro se levarmos em consideração a redução significativa nas ofertas. 

ClimaA ocorrência de chuvas está quase diariamente entre os municípios paulistas que estão com colheita em andamento. Porém, a intensidade dos eventos ocorre com poucos milímetros, sem causar prejuízo na qualidade dos grãos.

 

Rose Almeida

Negócios & mercado

Crédito da imagem:  fazendacalabilu.com.br 


Notícias relacionadas

Epamig produz semente genética do feijão 'ouro vermelho' em Leopoldina

Pregão desta quarta (19) transcorre com poucas vendas, mas corretores continuam firmes e com preços em alta.

Pós pregão encerra mercado em calmaria e com perspectiva de surpresas para a próxima semana

O mercado segue paralisado e sem interesse por parte dos compradores em novas aquisições, tendo em vista que para este momento o abastecimento já foi realizado ao longo da semana.

Mercado de feijão carioca, abre em queda nesta quarta-feira, dia 05, na Zona Cerealista.

Pregão desta terça (04) registra calmaria nas vendas e compradores dando preferência ao feijão comercial

Pregão desta terça (04) registra calmaria nas vendas e compradores dando preferência ao feijão comercial

Neste momento as ofertas que circulam na zona cerealista são apenas para embarque, com exceção das mercadorias do feijão extra, que somam aproximadamente 3 mil sacas.

Ao longo do pós pregão de hoje, dia 26, observamos que os preços permaneceram firmes e os corretores em nada flexíveis no tocante às negociações. As vendas ocorreram, porém em pequena escala.

Durante o pós-pregão de hoje, dia 22, o mercado operou com boa movimentação de vendas pela modalidade de embarque. O maior volume comercializado foi do feijão carioca de padrão comercial (8,5).

Após dias de um longo feriado o pregão desta quarta-feira (21) abriu com preços em alta, ofertas reduzidas e com um mercado completamente recuado.

Primeira safra do Feijão carioca ? Minas Gerais e Goiás

Mercado abre semana com preços em alta e vendas tímidas, porém com tendência de melhorar a movimentação

Mercado abre semana com um bom fluxo de vendas e preços mantendo estabilidade

Intempéries do clima podem provocar perdas na safra do feijão carioca no sudoeste paulista

Pregão desta terça (30) abre com volume razoável de ofertas, porém vendas ainda seguem em calmaria

Pregão desta segunda (29) começa semana com boas vendas e mercado em movimento

O mercado de feijão carioca e preto, desta sexta-feira (26) praticamente não aconteceu, tendo em vista que a presença de compradores foi praticamente nenhuma e, portanto, não existiram negociações.

A colheita no sudoeste paulista já está em andamento há pelo menos três semanas. Além disso, os bons resultados em termos de qualidade dos grãos é algo que podemos destacar.

Mesmo com vendas retraídas, pregão desta quarta (24) mantém preços firmes