Notícias

Indefinição do Plano Safra obriga produtor a ‘adivinhar’ o futuro


Enquanto os ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o da Fazenda não se entendem em Brasília em relação ao volume de recursos e às taxas de juros que serão aplicados nas linhas de custeio, investimentos e comercialização do novo Plano Agrícola e Pecuário (PAP), o produtor planeja às escuras a próxima temporada. Ao mesmo tempo em que aumentam as especulações sobre as novas regras ao crédito oficial, fica mais longe uma definição sobre quando elas serão conhecidas.

O setor já trabalha, inclusive, com a possibilidade concreta de o PAP 2017/18 ser conhecido apenas em junho, quando já terá oficialmente iniciado o novo ano agrícola. Se não for em junho, virá nos últimos dias de maio, aos 48 minutos do segundo tempo. Ou seja, atrasado. No ano passado o anúncio foi realizado em 4 de maio. Em 2015, dia 2 de junho.

Salvo uma agradável surpresa, ao que parece o Ministério da Agricultura já considera o fato de o lançamento do Plano Safra ficar para junho. Um forte indicador dessa tendência é uma viagem internacional programada pelo Mapa, com a presença do ministro Blairo Maggi, para o período de 14 a 21 de maio. Isso mesmo, o chefe do ministério deve se ausentar do país em um momento crucial de definições políticas que vão impactar o novo ciclo produtivo.

A missão oficial à Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Qatar e Kuwait, para a qual estão sendo convidadas empresas e lideranças do agronegócio, com certeza tem o seu valor na relação comercial com o Brasil. Mas para o ministro, no momento, a prioridade é outra. É seguro que a ausência do ministro Blairo fará mais falta nas negociações do PAP do que na missão ao exterior, que pode ser organizada para um momento mais adequado.

Enquanto isso, dentro e fora da porteira o campo se vira como pode na tentativa de controlar e proteger o risco. Comprar insumos, travar em dólar ou em real, trocar sementes, fertilizantes e defensivos por produção, eis a questão. Quase que um exercício de adivinhação. Apostas cada vez mais arriscadas, mas que precisam ser feitas. Assim, fica o desafio ao ministro: garante o anúncio do Plano Safra antes da viagem e surpreende o campo. Cancela sua presença nessa missão ao exterior e expressa solidariedade e lealdade ao setor que representa. Ou então paga o preço político de suas escolhas.

A expectativa no setor produtivo é com relação ao volume de recursos em 2017/18, que podem superar os R$ 190 bilhões e retomar um viés de alta depois da queda no ano passado. E também do montante de crédito a juros controlados, para que não seja menor que em 2016/17. Por fim, e talvez o mais importante, é qual será o custo desse recurso. Será que há espaço para uma redução na taxa de juros anual aplicada ao agronegócio. No exercício anterior os juros ficaram entre 8,5% e 12%. E é justamente nesse ponto que está o principal impasse entre Agricultura, que propõe uma redução, e a Fazenda, que defende no mínimo a manutenção das taxas que vinham sendo praticadas.

Retomada nas máquinas

Importante indicador do desempenho econômico do agronegócio, o setor de máquinas e equipamentos agrícolas vive a expectativa de uma retomada nas vendas em 2017. O clima na Agrishow, a maior feira de tecnologia de mecanização do país, realizada na semana passada em Ribeirão Pretro (SP), era de que enfim as vendas do segmento voltaram a crescer. O balanço do evento segue na mesma linha. Conforme os organizadores, o movimento financeiro foi 13% maior que em 2016 e atingiu R$ 2,2 bilhões.

Estatísticas da Anfavea, Associação Nacional de Fabricantes dos Veículos Automotores, revela que em abril as vendas de máquinas agrícolas foram 7,7% menor que o desempenho verificado em março. Na comparação com abril do ano passado, no entanto, o resultado foi 14,3% maior. A boa notícia, e que de certa forma aponta para uma retomada mais sustentável nas vendas, são os dados do acumulado do ano. Em relação a igual período de 2016, o comércio de máquinas agrícolas em 2017 cresceu incríveis 33%.

Fonte: Agronegocio

 


Notícias relacionadas

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada

Tempo volta a ficar seco na Região Sul

Produção de grãos cresce 3,4% e chega a 235,3 milhões

Brasil terá uma nova Política Nacional de Irrigação

Pregão desta quarta (20) surpreende e não registra boas vendas. Mesmo assim, mercado segue firme

Pregão desta sexta (15) registra mercado recuado para os dois setores. Porém, vendas podem ocorrer ao longo do dia

O pós pregão de hoje, dia 08, não deu sustentação às vendas. A sobra mínima de 6 mil sacas do feijão carioca não atraiu os compradores, que diante da firmeza dos preços, optaram pela retirada do mercado.