Notícias

Estudo inédito avaliou feijão em Mato Grosso

Estado é o quarto maior produtor brasileiro e cultiva carioca, caupi e preto


O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), em parceria com a Associação dos Produtores de Feijão, Trigo e Irrigantes de Mato Grosso (Aprofir), lançou o estudo inédito ?A importância da produção de feijão em Mato Grosso?. O trabalho traz informações do mercado de feijão, avaliando os impactos sociais e econômicos da cultura em Mato Grosso. O lançamento aconteceu durante o evento ?Pulse Day?, em Brasília, nesta semana (23/11).

 

?O estudo é inédito. Até então nunca foi feito no país uma pesquisa desta magnitude sobre a cadeia do feijão. O documento traz dados dos impactos da cadeia nas áreas econômica e social, geração de emprego e renda em Mato Grosso, no Brasil e no mundo?, informa o superintendente do Imea, Cleiton Gauer.

 

Mato Grosso é o quarto maior produtor brasileiro de feijão, depois do Paraná, Minas Gerais e Goiás. Em uma área plantada de 156 mil hectares, o estado cultiva as variedades carioca, caupi e preto. A leguminosa tem um ciclo curto, de 75 a 95 dias, sendo realizada em até três safras ao ano. A terceira safra, entre os meses de maio a julho, é feita em área irrigada. O ciclo curto do feijão permite que o produtor tenha mais opções do período do cultivo, aproveitando os pivôs usados em outras culturas e, consequentemente, consegue aumentar a rentabilidade.

 

?Com este estudo conseguimos mostrar para o segmento o quão importante é a cadeia do feijão enquanto atividade econômica do meio rural, tanto para Mato Grosso como para todo o Brasil. Mostramos a necessidade de investimentos, visto que o setor não tem e faltam incentivos diretos por parte do governo para continuar a produção desta cultura que vai parar diretamente na mesa do consumidor. O Brasil é um grande consumidor de feijão. A leguminosa faz parte da cultura dos brasileiros?, pontua o diretor executivo da Aprofir, Afrânio Cesar Migliari.   

 

Dados ? O Valor Bruto da Produção (VBP) de feijões em Mato Grosso alcançou na safra 2020/2021 a faixa de R$ 1,00 bilhão. O setor é responsável pela geração de mais de 2.371 empregos diretos, com salário médio de R$ 2.735,41, contribuindo para a formação R$ 84,31 milhões de renda anual para a economia local. Além disso, a cadeia arrecada R$ 34,36 milhões para o estado.

 

Segundo a coordenadora de Desenvolvimento Regional do Imea e responsável pelo estudo, Vanessa Marina Gasch Harris, de modo geral, estes indicadores contribuem para melhores índices de desenvolvimento social e econômico nos principais municípios produtores.

?Verificamos que Mato Grosso pode fechar a temporada 2020/2021 como maior exportador da leguminosa, respondendo por 63% dos embarques nacionais totais do produto rumo ao exterior?, estima a coordenadora. 

A expectativa é que o consumo mundial de pulses amplie em 21,2% até 2030, alcançando 111 milhões de toneladas. Atualmente, a exportação absorve 54% da produção mato-grossense, estimada pelo IBGE em 232,77 mil toneladas no ciclo 2020/2021. O consumo interno utiliza 19% do feijão cultivado em Mato Grosso, sendo que 27% são comercializados para outros estados brasileiros.

Irrigação ? Segundo o Atlas da Irrigação da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), estima-se que Mato Grosso é o estado com maior percentual de área adicional irrigável, o que pode contribuir para a expansão do cultivo de terceira safra no estado. Apesar do potencial produtivo, ainda existem alguns gargalos que precisam ser superados como o acesso à energia elétrica em algumas regiões do estado para possibilitar o avanço da irrigação.

?A cultura do feijão tem grandes desafios para se desenvolver no futuro. Ela vem crescendo nos últimos anos, chegou a perder um pouco de espaço nas últimas safras, mas tem uma relevância muito grande para as áreas irrigáveis. Os desafios que observamos dentro da porteira são o aumento de produtividade e de competitividade com outras culturas para que realmente o produtor fomente as áreas cultivadas de feijão nas propriedades. Fora da porteira ainda temos o gargalo logístico, mercado consumidor e saber quais são as tendências deste mercado?, explicou Cleiton Gauer.

 

 

Fonte: Agrolink

Crédito da imagem: Agrolink


Notícias relacionadas

Como foram as chuvas na primeira quinzena de 2022?

Agro vai superar dificuldades com a seca e se destacar na produção de grãos, diz Alexandre Garcia

Agro vai superar dificuldades com a seca e se destacar na produção de grãos, diz Alexandre Garcia

Estiagem: na região Sul, já há produtores que falam em perda de 100% da safra

Sul pede ajuda para minimizar estiagem

Brasileiro só gosta de um tipo de feijão, e isso encarece, diz especialista

Brasil ganha cultivares inéditas de feijão

Brasil ganha cultivares inéditas de feijão

Estudo inédito avaliou feijão em Mato Grosso

Produção brasileira de grãos pode chegar a 289,8 milhões de t, diz Conab

Zona de Convergência provoca chuvas nesta terça-feira; confira previsão

Zona de Convergência provoca chuvas nesta terça-feira; confira previsão

La Niña leva geada ao Sul em pleno novembro; invernada atinge 4 estados na semana que vem

Massa de ar seco e frio mantém o tempo firme na região Sul

Massa de ar seco e frio mantém o tempo firme na região Sul

Chuva irá se concentrar na divisa entre SP e MG durante a semana

Déficit de armazéns afeta 60% da produção agrícola no Brasil

1ª safra de feijão, avança, e já chegou a 76% no Paraná

EUA e União Europeia estudam criar leis que podem prejudicar agro brasileiro

Falta de insumos ameaça safra de grãos 21/22