Notícias

Estudo inédito avaliou feijão em Mato Grosso

Estado é o quarto maior produtor brasileiro e cultiva carioca, caupi e preto


O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), em parceria com a Associação dos Produtores de Feijão, Trigo e Irrigantes de Mato Grosso (Aprofir), lançou o estudo inédito ?A importância da produção de feijão em Mato Grosso?. O trabalho traz informações do mercado de feijão, avaliando os impactos sociais e econômicos da cultura em Mato Grosso. O lançamento aconteceu durante o evento ?Pulse Day?, em Brasília, nesta semana (23/11).

 

?O estudo é inédito. Até então nunca foi feito no país uma pesquisa desta magnitude sobre a cadeia do feijão. O documento traz dados dos impactos da cadeia nas áreas econômica e social, geração de emprego e renda em Mato Grosso, no Brasil e no mundo?, informa o superintendente do Imea, Cleiton Gauer.

 

Mato Grosso é o quarto maior produtor brasileiro de feijão, depois do Paraná, Minas Gerais e Goiás. Em uma área plantada de 156 mil hectares, o estado cultiva as variedades carioca, caupi e preto. A leguminosa tem um ciclo curto, de 75 a 95 dias, sendo realizada em até três safras ao ano. A terceira safra, entre os meses de maio a julho, é feita em área irrigada. O ciclo curto do feijão permite que o produtor tenha mais opções do período do cultivo, aproveitando os pivôs usados em outras culturas e, consequentemente, consegue aumentar a rentabilidade.

 

?Com este estudo conseguimos mostrar para o segmento o quão importante é a cadeia do feijão enquanto atividade econômica do meio rural, tanto para Mato Grosso como para todo o Brasil. Mostramos a necessidade de investimentos, visto que o setor não tem e faltam incentivos diretos por parte do governo para continuar a produção desta cultura que vai parar diretamente na mesa do consumidor. O Brasil é um grande consumidor de feijão. A leguminosa faz parte da cultura dos brasileiros?, pontua o diretor executivo da Aprofir, Afrânio Cesar Migliari.   

 

Dados ? O Valor Bruto da Produção (VBP) de feijões em Mato Grosso alcançou na safra 2020/2021 a faixa de R$ 1,00 bilhão. O setor é responsável pela geração de mais de 2.371 empregos diretos, com salário médio de R$ 2.735,41, contribuindo para a formação R$ 84,31 milhões de renda anual para a economia local. Além disso, a cadeia arrecada R$ 34,36 milhões para o estado.

 

Segundo a coordenadora de Desenvolvimento Regional do Imea e responsável pelo estudo, Vanessa Marina Gasch Harris, de modo geral, estes indicadores contribuem para melhores índices de desenvolvimento social e econômico nos principais municípios produtores.

?Verificamos que Mato Grosso pode fechar a temporada 2020/2021 como maior exportador da leguminosa, respondendo por 63% dos embarques nacionais totais do produto rumo ao exterior?, estima a coordenadora. 

A expectativa é que o consumo mundial de pulses amplie em 21,2% até 2030, alcançando 111 milhões de toneladas. Atualmente, a exportação absorve 54% da produção mato-grossense, estimada pelo IBGE em 232,77 mil toneladas no ciclo 2020/2021. O consumo interno utiliza 19% do feijão cultivado em Mato Grosso, sendo que 27% são comercializados para outros estados brasileiros.

Irrigação ? Segundo o Atlas da Irrigação da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), estima-se que Mato Grosso é o estado com maior percentual de área adicional irrigável, o que pode contribuir para a expansão do cultivo de terceira safra no estado. Apesar do potencial produtivo, ainda existem alguns gargalos que precisam ser superados como o acesso à energia elétrica em algumas regiões do estado para possibilitar o avanço da irrigação.

?A cultura do feijão tem grandes desafios para se desenvolver no futuro. Ela vem crescendo nos últimos anos, chegou a perder um pouco de espaço nas últimas safras, mas tem uma relevância muito grande para as áreas irrigáveis. Os desafios que observamos dentro da porteira são o aumento de produtividade e de competitividade com outras culturas para que realmente o produtor fomente as áreas cultivadas de feijão nas propriedades. Fora da porteira ainda temos o gargalo logístico, mercado consumidor e saber quais são as tendências deste mercado?, explicou Cleiton Gauer.

 

 

Fonte: Agrolink

Crédito da imagem: Agrolink


Notícias relacionadas

Safra de inverno ? Região Nordeste Região inicia a colheita nos próximos 10 ? 15 dias

Nordeste e a safra de inverno - Feijão Carioca, preto e cores

PARANÁ ? Colheita de feijão 2ª safra está praticamente finalizada

IBGE projeta safra recorde de 261,4 milhões de toneladas

OS PREÇOS MÍNIMOS PARA OS PRODUTOS DE VERÃO E REGIONAIS DA SAFRA 2022/2023 E 2023

Produtores trocam feijão carioca pelo preto

Combinação de microrganismos pode aumentar a produtividade do feijão em até 11%

IBGE prevê safra recorde de 263,0 milhões de toneladas. A estimativa de maio cresceu 0,6% em relação à anterior (261,5 milhões de toneladas)

Produção de feijão-preto deverá superar consumo interno

Chuva e frio estão chegando ? nas regiões com produção de feijão.

Chuva e frio estão chegando ? nas regiões com produção de feijão.

Nova frente fria pode traz chuva no Centro-Sul

Segunda safra do feijão está em fase de enchimento de grãos

Veja a previsão do tempo para segunda e terça-feira, nas regiões com produção de feijão em andamento.

Veja a previsão do tempo para segunda e terça-feira, nas regiões com produção de feijão em andamento.

NAVIOS COM 640 TONELADAS DE FERTILIZANTES CHEGAM AO PAÍS

Massa de ar polar chega ao país

Massa de ar polar chega ao país

Confira o clima nas regiões com plantio de feijão em andamento.

As chuvas poderão ser intensas entre o norte da região sul e litoral do sudeste