Notícias

Estação será marcada pelo fenômeno La Niña. Nordeste continua com perspectivas de pouca chuva.

O Nordeste estará envolvido em outro sistema, uma zona de convergência intertropical. "Nós temos um problema grave na região Nordeste do Brasil. Estamos desde 2012 com chuvas bem abaixo da média"


Estação será marcada pelo fenômeno La Niña. Nordeste continua com perspectivas de pouca chuva.

 

 

La Niña

"A principal característica deste verão é o fenômeno La Niña, que deixa as águas mais frias no Pacífico Sul, até março. Essas águas mais frias geram circulações na América do Sul", disse Expedito Rebello, coordenador do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). São cerca de 10 mil km de águas geladas, que começam na costa do Peru.

Rebello diz que o fenômeno irá influenciar principalmente Sudeste e Centro-Oeste, além de parte do Norte, com a ocorrência de mais chuvas.

"As temperaturas são altas normalmente nesta época do ano, mas, por causa dessas chuvas, elas podem ser um pouco abaixo no normal nessas regiões", aponta.

O Nordeste estará envolvido em outro sistema, uma zona de convergência intertropical. "Nós temos um problema grave na região Nordeste do Brasil. Estamos desde 2012 com chuvas bem abaixo da média".

"O Atlântico está com temperaturas mais frias do que a média perto da região Nordeste. Isso faz com que as chuvas sejam inibidas", explica. "Provavelmente vamos manter isso de ter chuvas abaixo do normal".

O meteorologista também diz que o tempo na região Sul durante este verão deve revezar com períodos de chuva e de sol.

"A região sul deve se caracterizar por irregularidade: chove muito em poucos dias e, depois, muitos dias sem chuva"

Destaques

De acordo com o Climatempo e com o Inmet, o verão 2017/2018 deve ter algumas características principais:

Maior parte da chuva no Sudeste e Centro-Oeste deve acontecer na primeira metade da estação

Janeiro será o mês-chave para os estados do Centro-Oeste e Sudeste com 10 a 15 dias de chuva

Fevereiro deve ser o mês mais quente em todo o Brasil

O Sul deve ter chuva abaixo da média, mas sem ficar totalmente na secura, com longos períodos sem sol

Muita chuva na Região Norte

Muito calor e pouca chuva no Nordeste

 


Notícias relacionadas

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada