Notícias

Entenda os efeitos da inflação nos preços dos alimentos

Saiba como a inflação pode afetar a margem de lucro dos produtores


O Portal Agrolink conversou com Ralph Melles Sticca, professor da FGV AGRO, advogado e sócio do PSAA. 

Agrolink: Quais são os efeitos da inflação no preço dos alimentos?

Ralph: O preço dos alimentos representa 23,12% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA),     que é a inflação oficial do Brasil calculada pelo IBGE. O Índice vem acelerando nos últimos meses em função da pandemia, partindo de 2,31% em julho de 2020 para 8,99% em julho deste ano, ou seja bem acima da meta do Governo Federal , que é de 3,75% e do teto, que é 5,25%, e assim levou o Banco Central a mais uma vez aumentar a taxa Selic para 5,25% ao ano. Mas os alimentos também sentem os efeitos da inflação dos componentes que também são importantes, como a energia elétrica e os combustíveis, pois são indispensáveis para a produção e o transporte dos produtos rurais, desde o campo até o varejo. Portanto, aumentando o custo de produção dos produtores rurais, que acabam repassando parcial ou integralmente ao consumidor final. Mas há outros fatores importantes que também impactam o preço dos alimentos, como o aumento da demanda, que foi decorrente da injeção de recursos da economia, por exemplo, o auxilio emergencial, o cambio desvalorizado e a cotação de preços internacionais, que acabam tornando o mercado externo mais atrativo para os médios e grandes produtores. Além das condições climáticas, como a estiagem e as geadas recorrentes em grandes estados produtores. 

Agrolink: De alguma forma estes efeitos prejudicam a margem de lucro dos produtores rurais? 

Ralph: Sim, seguramente. Ainda que a alta dos alimentos tenda a acompanhar a inflação dos custos de produção do produtor rural, o repasse ao consumidor não é proporcional e sequer imediato, já que as commodities agrícolas se sujeitam as cotações e índices de preços em bolsas internacionais. E esses preços tem a interferência do câmbio no Brasil, como nós somos os principais produtores e exportadores de alimentos do mundo, não há escassez de produto ou espaço para subsídios governamentais ou até politicas de cotas de exportação como acontece em outros países. Portanto, o que predomina nos preços de alimentos no Brasil é a economia de mercado, ou seja, consumir até o limite em que houver a demanda. Porém, há instrumentos que devem ser utilizados pelos produtores rurais, como o seguro rural, que serve para cobertura dos riscos de produção. Infelizmente ainda é muito comum neste mercado a estocagem de produtos não perecíveis por longos períodos, como o café, sempre a espera de um aumento de preço, que pode ocorrer ou não. Mas o produtor rural precisa considerar que esta estratégia traz custos ocultos que acabam não sendo mensurado, como o risco da perda física ou mesmo custo de carregamento financeiro de estoque. 


Fonte: Agrolink

Credito da imagem: Agrolink


Notícias relacionadas

Brasil ganha cultivares inéditas de feijão

Brasil ganha cultivares inéditas de feijão

Estudo inédito avaliou feijão em Mato Grosso

Estudo inédito avaliou feijão em Mato Grosso

Produção brasileira de grãos pode chegar a 289,8 milhões de t, diz Conab

Zona de Convergência provoca chuvas nesta terça-feira; confira previsão

Zona de Convergência provoca chuvas nesta terça-feira; confira previsão

La Niña leva geada ao Sul em pleno novembro; invernada atinge 4 estados na semana que vem

Massa de ar seco e frio mantém o tempo firme na região Sul

Massa de ar seco e frio mantém o tempo firme na região Sul

Chuva irá se concentrar na divisa entre SP e MG durante a semana

Déficit de armazéns afeta 60% da produção agrícola no Brasil

1ª safra de feijão, avança, e já chegou a 76% no Paraná

EUA e União Europeia estudam criar leis que podem prejudicar agro brasileiro

Falta de insumos ameaça safra de grãos 21/22

Crise nos insumos: Saiba o que fazer

Crise nos insumos: Saiba o que fazer

Brasil vai plantar e colher mais feijão

PLANTA ALAGOAS: 50 MIL ALAGOANOS COMEMORAM O INÍCIO DA SAFRA

Semana começa com previsão de geada; veja onde