Notícias

Durante o pós-pregão de hoje, dia 22, o mercado operou com boa movimentação de vendas pela modalidade de embarque. O maior volume comercializado foi do feijão carioca de padrão comercial (8,5).

Durante o pós-pregão de hoje, dia 22, o mercado operou com boa movimentação de vendas pela modalidade de embarque. O maior volume comercializado foi do feijão carioca de padrão comercial (8,5). O preço em destaque foi de R$ 145,00/sc/final, sendo este diferenciado do valor de abertura do mercado, dando certa vantagem ao setor de compras. De modo geral estima-se que pelos menos 12 mil sacas foram negociados com entrega programada.


Zona Cerealista

Durante o pós-pregão de hoje, dia 22, o mercado operou com boa movimentação de vendas pela modalidade de embarque. O maior volume comercializado foi do feijão carioca de padrão comercial (8,5). O preço em destaque foi de R$ 145,00/sc/final, sendo este diferenciado do valor de abertura do mercado, dando certa vantagem ao setor de compras. De modo geral estima-se que pelos menos 12 mil sacas foram negociados com entrega programada.

 

Já o feijão de padrão extra (9,5) manteve o preço firme e ainda aguarda escoamento, tendo em vista que os compradores seguem indiferentes a este padrão, sem sequer lançarem contra proposta. As vendas se ocorreram, não tivemos como acompanhar. Diante de tal cenário vale colocar que a dificuldade para escoamento deverá provocar certa fragilidade nos preços.

 

Lavouras

As práticas de vendas estão literalmente estrangulando os compradores.  Neste momento as lavouras do interior de São Paulo estão operando praticamente com os mesmos preços da zona cerealista. Além disso, as mercadorias físicas já tiveram o acréscimo das despesas.

 

Esta situação demonstra um mercado que necessita comprar, porém está recuado em razão dos atuais preços. Portanto, a jogada dos produtores neste momento é esperar a demanda naturalmente, sobretudo com o intuito de alcançar valores ainda maiores do que R$ 150,00/sc. 

 

No estado de Minas Gerais o frenesi é o mesmo, com os preços seguindo a mesma resistência. Os produtores mineiros saltaram para o valor de R$ 150,00/sc, provocando um gargalo no setor.  Por outro lado é inegável que o setor de compras está inseguro, e só arriscará aquisições por meio da venda casada, pois permite mais tranquilidade na compra. 

 

Varejo

 

Apenas nesta semana o mercado já registrou uma alta de 13 a 22% no produtor in natura. Assim sendo, o setor atacadista precisará de pelo menos duas semanas para atualizar seus preços. Durante este intervalo o mercado sentirá uma cautela maior dos empacotadores. 

 

Lembrando sempre que os principais empacotadores não estão vazios e ainda estão realizando seus abastecimentos diretamente nas lavouras, com mercadorias no padrão comercial para as marcas de combate que conseguem suportar bem a calmaria do mercado.

 

 

Resumo

 

A expectativa de uma melhor abertura para as negociações se transfere para a próxima semana, uma vez que o setor de vendas se mostra firme e recuado, mostrando que não abrirá mão dos atuais preços.

 

Rose Almeida

Negócios &e Mercado


Notícias relacionadas

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada