Notícias

Após dias de um longo feriado o pregão desta quarta-feira (21) abriu com preços em alta, ofertas reduzidas e com um mercado completamente recuado.

Após dias de um longo feriado o pregão desta quarta-feira (21) abriu com preços em alta, ofertas reduzidas e com um mercado completamente recuado. Porém, registramos que as primeiras e poucas negociações foram do feijão (8,5) ao preço de R$ 153,00/sc. O feijão extra (9,5-10), abriu com pedida de até R$ 170,00/sc, porém sem vendas.


Pregão desta quarta (21) abre com preços em alta e vendas tímidas

 

Após dias de um longo feriado  o pregão desta quarta-feira (21) abriu com  preços em alta, ofertas reduzidas e com um mercado completamente recuado. Porém, registramos que as primeiras e poucas negociações foram do feijão (8,5) ao preço de R$ 153,00/sc. O feijão extra (9,5-10), abriu com pedida de até R$ 170,00/sc, porém sem vendas.

 

Os compradores preferiram assistir o mercado, além de fazer uso dos pequenos estoques adquiridos antes do feriado prolongado. Em se tratando do restante da semana, é fato que ambos os setores sabem que não será fácil novas negociações, mesmo assim o mercado deve aquecer pelo menos até o fim desta semana. 

 

Para o setor de compras o mais importante neste momento é puxar as vendas junto ao mercado varejista,  inclusive apresentando os novos preços. Desta forma o mercado terá uma fluidez segura e, consequentemente uma melhor aceitação dos novos valores.

 

Após a pouca movimentação ocorrida em cima das 15.650 sacas do feijão carioca, as sobras ainda ficaram em 13.330 sacas.

 

Diante do aumento de preços, sabemos que não será fácil para aquele comprador que necessite se abastecer ao longo do dia. Portanto, ter cautela para negociar é um ponto importante.

 

Rose Almeida

Crédito da Imagem:  Sistemafaep


Notícias relacionadas

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada