Notícias

O último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicou que ocorrerá um significativo aumento das ofertas do feijão carioca e outros, a partir de setembro.

Nordeste O início de plantio ocorreu em meados de abril, inclusive com alguns atrasos e até mesmo a não ocorrência de plantios. O clime é o fator mais determinante nesta região, tendo em vista que influência nas fases do plantio.


Em virtude das chuvas em atraso a região não obedece a um calendário específico, assim como nas demais regiões do país. 


Para o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o momento foi oportuno e os produtores tiveram tempo para continuar a semeadura, que durou até o mês de junho. 


Vale informar também que as chuvas continuam enriquecendo as lavouras, que apresentam um bom desenvolvimento e variadas fases, principalmente em razão do espaço de semeadura entre os agricultores. 


Mudando para a Bahia, observamos que o clima úmido, porém necessário e favorável, também abriu espaço para algumas doenças.


Nos estados de Pernambuco,  Bahia e Sergipe consta um notório avanço nas lavouras,porém o percentual pronto para colher gira na média de 30-40%. As demais áreas estão mais novas. 


Mesmo com boas chuvas, a meteorologia aponta que nos próximos dias as temperaturas se elevarão dando condição para os trabalhos de colheita.


Com isso,  a oportunidade de já acompanharmos os primeiros lotes colhidos e secos nas próximas semanas, são reais. 


No Pernambuco, por exemplo, informações de um comerciante da cidade de Lajedo, deram conta de que a quantidade de feijão carioca ainda era pequena, nas feirinhas.



Áreas plantadas por hectare:


Bahia ? 210.000 

Sergipe  - 5.005  (-33,8)


Pernambuco ? 29.527  (+17,5)

Neste estado o feijão carioca,  divide áreas com as variedades do preto, mulatinho e fradinho, sendo a maior área para o feijão preto.



Próximas colheitas



Estados como Goiás, Minas Gerais e Mato Grosso já estão com o plantio todo concluído e com algumas colheitas.


Segundo levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística),  tiveram  redução as áreas plantadas (MG -3,5%) e Goiás com apenas - 4,9%. O Distrito Federal apontou um crescimento de (83,30). 


Mato Grosso registrou um crescimento de (85,80%). Aqui os feijões s?o de irrigação, com maior destaque para as áreas do feijão carioca, já que a ocupação chega a pelo menos 70%, dividindo as áreas com o feijão fradinho e outros. 


Para o momento atual temos que o pico maior das colheitas para o mês de setembro em diante. 


De acordo com a meteorologia do site: www.tempoagora.com.br, o clima para os próximos quinzes dias favorecerá a colheita. 


Uma novidade será a incidência de sol e o aumento de temperaturas nas regiões nordeste, sudeste e centro-oeste. 


Área plantada por hectare:  



Minas Gerais  - 61.984  (-3,5%)

Goiás - 48.075  (-4,9%)

Distrito Federal - 3.300 (+83,3%)

Mato Grosso -

58.804  (+85,8%)




Rose Almeida

Negócios & mercado

Crédito da imagem:  portaldoagronegocio.com.br 



Notícias relacionadas

O mercado foi firme até o fechamento do pregão de hoje. Mas neste momento segue susceptível de variação de acordo com a lei da oferta/demanda.

Produção de feijão vai crescer 487% na Bahia

O pós pregão de hoje, dia 09, não deu continuidade às vendas de forma satisfatória, pelo menos para o setor de vendas.

A semana encerra com ofertas reduzidas, preços estáveis e com poucas vendas realizadas, na zona cerealista

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%