Notícias

O pregão desta sexta-feira (02) abriu com aproximadamente 2.900 sacas de feijão carioca. Preços se mantém estáveis.


 

 

O pregão desta sexta-feira (02) abriu com aproximadamente 2.900 sacas de feijão carioca. Apesar do volume inexpressivo, nota-se que diante da falta de compradores, essa quantidade acabou sendo mais que suficiente.

 

Sem vendas registradas, a tentativa de escoamento das ofertas se transfere para o pós pregão, porém, sem muita perspectiva de que o mercado possa reagir em termos de venda.

 

Este cenário atual mostra, inclusive, que ao longo da semana as ofertas foram naturalmente sendo armazenadas. Essa estratégia chegou a provocar certa alteração nos valores do feijão, mas devido ao abastecimento do setor de compra, essa tendência foi se desfazendo.

 

A calmaria segue e as chances de vendas ao longo do pós pregão são mínimas. Os compradores se mostram tranquilos, ainda mais quando gozam de alternativas para se abastecerem caso seja necessário.

 

Com um mercado calmo e sem registro de vendas, além de corretores com feijão armazenado a espera de escoamento, o quesito preço se torna complexo de ser definido, pelo menos para o momento.

 

Uma dúvida que também paira sobre o mercado se refere aos próximos volumes que chegarão à zona cerealista, uma vez que a quantidade de feijão influência na pedida de preço das ofertas. Vale ressaltar ainda, que a média entre R$ 190,00 e R$ 240,00/sc,  já não serve como referência para a próxima semana.

 

Com o estado do Paraná prestes a ter seu feijão reduzido, o foco do mercado passa a ser o estado de Minas Gerais, que atualmente se encontra com os trabalhos de campos em andamento. Até que se tenha um volume regular de mercadorias, os preços continuarão oscilando, seja para cima ou para baixo.  

 

Rose Almeida

Negócios & Mercado 

 


Notícias relacionadas

*SAFRA DAS ÁGUAS PARANÁ 2019/2020*

Oeste da Bahia vai ganhar o 1° polo de irrigação do NE

AgroNordeste vai ajudar a reduzir as diferenças regionais

Oeste da Bahia vai ganhar o 1° polo de irrigação do NE

Safra das Águas - Sudoeste Paulista

O mercado foi firme até o fechamento do pregão de hoje. Mas neste momento segue susceptível de variação de acordo com a lei da oferta/demanda.

Produção de feijão vai crescer 487% na Bahia

O pós pregão de hoje, dia 09, não deu continuidade às vendas de forma satisfatória, pelo menos para o setor de vendas.

A semana encerra com ofertas reduzidas, preços estáveis e com poucas vendas realizadas, na zona cerealista

O último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicou que ocorrerá um significativo aumento das ofertas do feijão carioca e outros, a partir de setembro.

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo