Notícias

O pós pregão de hoje, dia 08, não deu sustentação às vendas. A sobra mínima de 6 mil sacas do feijão carioca não atraiu os compradores, que diante da firmeza dos preços, optaram pela retirada do mercado.

Pós pregão de vendas paralisadas e setores cautelosos sobre o que vão fazer a partir da próxima semana


Já os corretores, mesmo sabendo que a calmaria se dá em virtude da inflexibilidade nos preços, ainda assim permaneceram firmes e não esboçaram qualquer intenção em facilitar as negociações.

 

Com os preços estabilizados entre R$ 300,00 e R$ 410,00/sc,  o mercado segue com referências nominais e boas expectativas para a próxima segunda-feira.

 

*Lavouras*

 

A cautela dos corretores é um reflexo do que está acontecendo nas lavouras.  Os produtores não cedem, e diante de um baixo volume ainda disponível nas regiões de produção, os produtores preferem aguardar a demanda naturalmente, pois sabem que compradores de outros estados também chegam a busca de mercadorias.

 

No tocante aos preços, estes praticamente se igualaram aos valores do atacado paulista. Mesmo não sendo tarefa fácil falar de preços nas lavouras, tivemos a informação de que os produtores determinaram pelo menos R$ 400,00/sc, para os seus melhores padrões. 

 

De forma geral podemos colocar que o cenário atual deixa a probabilidade de novas alterações positivas de preços. Porém, é fato que as aquisições deverão ser cada vez mais resumidas, em virtude do mercado que neste momento segue em risco. Portanto, avaliar cada situação será o desafio da vez para o setor de vendas.

 

Rose Almeida

Negócios & Mercado

Crédito da imagem:   


Notícias relacionadas

O mercado foi firme até o fechamento do pregão de hoje. Mas neste momento segue susceptível de variação de acordo com a lei da oferta/demanda.

Produção de feijão vai crescer 487% na Bahia

O pós pregão de hoje, dia 09, não deu continuidade às vendas de forma satisfatória, pelo menos para o setor de vendas.

A semana encerra com ofertas reduzidas, preços estáveis e com poucas vendas realizadas, na zona cerealista

O último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicou que ocorrerá um significativo aumento das ofertas do feijão carioca e outros, a partir de setembro.

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão