Notícias

Milho e feijão têm colheita favorecida pelo clima no RS


 

O clima tem sido favorável para a colheita do milho no Rio Grande do Sul. À medida que a cultura atinge o ponto ideal para colheita, os agricultores colhem e implantam novo cultivo de milho ou soja nesta área. De acordo com o Informativo Conjuntural da Emater/RS-Ascar, as produtividades apresentam grande variação, em consequência das precipitações irregulares ocorridas durante o ciclo da cultura. Nas lavouras onde ocorreu déficit hídrico, as produtividades são inferiores a 100 sacas/ha. Já nas lavouras bem conduzidas e em que não houve falta de umidade, as produtividades estão próximas a 10 mil kg/ha e as lavouras irrigadas vêm produzindo entre 13 mil e 15 mil kg/ha. A área destinada à produção de silagem, em nível estadual, já atinge 50% do total plantado para este fim (371 mil ha), atingindo produtividades ao redor de 42 mil toneladas de massa verde.

A colheita do feijão 1ª safra também evolui e se aproxima dos 60% das lavouras gaúchas. Mesmo que as produtividades estejam variáveis, a média deverá ser bem acima da inicialmente prevista, que é de 1.337kg/ha. Os produtores estão comercializando o feijão da safra, aumentando a oferta no mercado. Nos Campos de Cima da Serra, as áreas são semeadas após a colheita do trigo, interpondo-se entre as duas safras, ainda que seja considerada dentro da primeira. Naquela região houve menos chuvas e as temperaturas altas favoreceram o desenvolvimento vegetativo das lavouras, que apresentam ótimo aspecto visual, com expectativa de excelente rendimento de grãos. O plantio da safrinha se encontra em andamento, com bom desenvolvimento vegetativo, e as lavouras mais precoces já entram em floração.

A soja evolui rapidamente para a formação de vagens e início da formação de grão, com bom desenvolvimento e baixa incidência de pragas e doenças. Embora as condições climáticas estejam favoráveis ao desenvolvimento da cultura, em locais onde as precipitações foram de baixo volume as plantas apresentam sintomas de déficit hídrico. Na região administrativa de Ijuí, apesar de pouca expressão, o plantio de soja em janeiro e fevereiro em sucessão ao milho apresenta 32% da área prevista implantada.

No arroz, as lavouras evoluem de forma bastante satisfatória nos últimos dias, sem problemas de água para a irrigação e beneficiadas pelo clima quente e de boa insolação com padrão e potencial produtivo dentro do esperado (ao redor dos 7 mil kg/ha). A atual safra já registra as primeiras áreas colhidas. São lavouras plantadas muito cedo (início de setembro) no Vale do Taquari, que representam menos de 1% do total semeado. Estas têm alcançado marcas (produtividades) dentro do esperado (entre 7 e 8 mil kg/ha), com bom rendimento dos grãos no engenho. Cabe ressaltar que o percentual colhido é ínfimo, não servindo para estabelecer parâmetros para a totalidade das lavouras.

FRUTAS
Uva - Na região do Vale do Taquari, segue a colheita de uva das variedades americanas, ou do grupo das comuns, como Concord, Bordô, Niágaras branca e rosada. Em função das chuvas frequentes, houve bom desenvolvimento de folhas, ramos e bagas, mas consequências desfavoráveis à produção, como maior incidência de doenças fúngicas e redução do grau glucométrico, que corresponde à quantidade de açúcar na uva. No período de maturação houve excesso de chuvas, que se prolongaram por vários dias, proporcionando perdas na quantidade da fruta.

 

Figo - A colheita do figo verde, cuja principal variedade cultivada é a Roxo de Valinhos, está em andamento na região do Vale do Caí e no município de Poço das Antas, no Vale do Taquari. No Vale do Caí, o figo é colhido verde na maior parte dos municípios de Brochier, Maratá e São Pedro da Serra. A colheita está no início, tendo sido colhidos 15% dos figos das lavouras. Está sendo um ano regular para a cultura do figo, visto que a cultura exige bastante água para o seu desenvolvimento. Neste sentido, as chuvas têm colaborado com a cultura. No entanto, as poucas horas de sol favoreceram o estiolamento da planta e aumentaram o espaçamento entre as frutas. A expectativa é de que a previsão de tempo bom se confirme e esta situação melhore.

CRIAÇÕES 
Com a sequência de chuvas e altas temperaturas das últimas semanas na região Sul, as pastagens têm boa resposta na taxa de crescimento. Os produtores que realizaram fenação nas pastagens de trevo e cornichão estão manejando as áreas de melhor potencial produtivo com objetivo de produção de sementes. As pastagens perenes de verão (braquiárias, panicuns e tiftons) também estão com ótimo desenvolvimento, assim como as pastagens anuais de verão, em utilização pelos animais.

Ovinocultura - Com a melhoria dos campos nativos, ocorre o cio das matrizes, o que para muitos produtores é sinal de rebanho em bom estado nutricional. Os problemas de casco foram reduzidos, mas devem ser redobrados os cuidados com os parasitas, especialmente as verminoses, pois o clima quente e úmido proporciona condições ideais para o desenvolvimento dos mesmos. Nesse sentido os produtores realizam manejos estratégicos para o controle da verminose ovina, com dosificações de acordo com a necessidade ou conforme a condição corporal do rebanho.

Está encerrada a tosquia e a lã já foi praticamente toda comercializada. Com a desmama dos cordeiros, as matrizes ganham peso para encarneiramento nos meses de março e abril. Entretanto alguns rebanhos estão sendo encarneirados a partir da metade de fevereiro, prioritariamente das raças Merino e Ideal.

Época de classificação dos rebanhos, seleção de borregas para o próximo encarneiramento e descarte das matrizes velhas ou com defeitos da reprodução. Época também de feiras de verão e remates para venda de carneiros, como a XXIII Feovelha, realizada no final de janeiro no Parque de Exposições Charrua, em Pinheiro Machado, considerado o maior evento da ovinocultura brasileira, e constitui excelente oportunidade para os ovinocultores adquirem animais de alto padrão genético para melhorarem seus rebanhos. O faturamento total foi de R$ 570.165,00, com 1.405 animais vendidos, sendo 50% a menos que 2016, com comercialização de R$ 854.425,00. O evento foi realizado com apoio da Emater/RS-Ascar, que também é parceira na realização do Concurso Regional de Artesanato e Borregas, que acontece dia 28 de abril, no município de Herval.

 


Notícias relacionadas

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada