Notícias

Quase tudo com feijão-caupi


Para acompanhar o chá das cinco - tradição brasileira copiada dos ingleses - que tal biscoitos semelhantes às petas, feitos à base de farinha de feijão-caupi? Ou saborear no almoço ou no jantar uma lasanha montada com massa de feijão-caupi? Pois a Embrapa Meio-Norte está trabalhando para disponibilizar ao mercado ainda este semestre  produtos alternativos feitos com farinha de feijão-caupi.

 

A ideia, segundo o pesquisador Jorge Minoru Hashimoto, é oferecer alternativas tecnológicas alimentares mais nutritivas do que os produtos tradicionais disponíveis hoje, procurando incrementar o consumo do feijão-caupi. Ele explica que a busca é também por produtos que tenham longa vida de prateleira, prontos para o consumo ou de rápido preparo e ricos em fibras.

“Esses produtos  têm  maior  teor  proteico, e  é aí que está o grande diferencial. Além disso, eles não contêm glúten. Alguns produtos também não têm conservantes químicos”, destaca Hashimoto.
O estudo, que começou em 2013 com as cultivares BRS Guariba e BRS Novaera,  está avançado e já desenvolveu produtos semelhantes aos biscoitos peta, ou de polvilho, massa para macarrão e farinha instantânea para o preparo de caldo de feijão com alto valor proteico.

 

 

O rito de passagem de grãos a produto final foi longo. Primeiro, o pesquisador buscou uma metodologia economicamente viável para descascar os grãos de maneira rápida e transformá-los em farinha. Ele encontrou o método do atrito mecânico entre os grãos. Depois, Hashimoto partiu para a elaboração de produtos sem o uso de conservantes e com textura crocante.

Agora, na  terceira etapa da pesquisa, usando a cultivar BRS Tumucumaque, que tem altos teores de ferro e zinco, e com a participação direta de estudantes de mestrado e doutorado da Universidade Federal do Piauí (UFPI), o pesquisador vem   usando a tecnologia extrusão termoplástica, caracterizada por submeter a matéria-prima a altas temperaturas e pressões.

 

O próximo passo será a análise sensorial, que é o teste de avaliação, aceitabilidade e intenção de compra dos produtos. Além da participação efetiva da UFPI, o projeto é apoiado pela Universidade Estadual de Campinas ( Unicamp ),  Instituto de Tecnologia de Alimentos ( ITAL ), também em Campinas, Universidade Federal do Ceará (UFC ) e Embrapa Agroindústria de Alimentos, com sede no Rio de Janeiro.

 

Embrapa


Notícias relacionadas

Municípios de SC afetados pela estiagem vão receber repasse

ALERTA DE TEMPORAIS NO RIO GRANDE DO SUL

Safra de feijão está praticamente plantada no Paraná

Nutrição de alta tecnologia minimiza estresse e garante alta produtividade no feijão

Produção brasileira de grãos deve chegar a 268,3m/t

Calor persiste no Sudeste nos próximos dias

Paraná deve produzir 24 milhões de toneladas na safra de Verão

Mais chuva no Sul

Com câmbio em alta, mercado de defensivos deve recuar 11% em 2020, diz Sindiveg

Área coberta com seguro rural já supera 10 milhões de hectares

Área coberta com seguro rural já supera 10 milhões de hectares

Conab lança nesta terça-feira ferramenta de acompanhamento do plantio e coleta de grãos

Conab lança nesta terça-feira ferramenta de acompanhamento do plantio e coleta de grãos

Epamig produz semente genética do feijão 'ouro vermelho' em Leopoldina

Pregão desta quarta (19) transcorre com poucas vendas, mas corretores continuam firmes e com preços em alta.

Pós pregão encerra mercado em calmaria e com perspectiva de surpresas para a próxima semana

O mercado segue paralisado e sem interesse por parte dos compradores em novas aquisições, tendo em vista que para este momento o abastecimento já foi realizado ao longo da semana.

Mercado de feijão carioca, abre em queda nesta quarta-feira, dia 05, na Zona Cerealista.

Pregão desta terça (04) registra calmaria nas vendas e compradores dando preferência ao feijão comercial

Pregão desta terça (04) registra calmaria nas vendas e compradores dando preferência ao feijão comercial