Notícias

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

A maior onda de frio de 2019 já está na Argentina. Nesta terça-feira (02/07), já registramos temperaturas negativas no Rio Grande do Sul (-0,8?C em Quaraí).


A maior onda de frio de 2019 já está na Argentina. Nesta terça-feira (02/07), já registramos temperaturas negativas no Rio Grande do Sul (-0,8?C em Quaraí).

 

De acordo com a meteorologista Patricia Madeira, até amanhã, um novo pulso de ar gelado chega ao país e espalha ar frio no Sudeste e Centro-Oeste, nos próximos dias. O pico desta onda de frio no Sul será no dia 6, quando serão registradas temperaturas abaixo de zero nas áreas costeiras, no norte e noroeste do Paraná. As geadas serão fortes, avisa a meteorologista.

 

No sábado, (06/07) o frio com geada chega no norte do Paraná, oeste e sul de São Paulo, centro-sul de Mato Grosso do Sul e no sul de Minas Gerais. Os produtores de café destas áreas devem estar atentos. 

 

Geada pode comprometer a agricultura 

 

O frio será intenso em algumas áreas do centro-sul do país com possíveis recordes de temperatura. A geada irá se formar de maneira generalizada sobre o Sul do Brasil, atingindo Curitiba e o norte do Paraná, e em áreas do Centro-Oeste e do Sudeste. Há grande possibilidade de danos para a agricultura, especialmente para os campos de cevada e trigo que se encontram em fase de florescimento em algumas regiões. No, Paraná,  as lavouras de milho safrinha, encontram-se com 25%, em estágio de florescimento.

 

Estão previstas geadas fracas a moderadas em Mato Grosso do Sul, em muitas áreas de São Paulo, incluindo a Grande São Paulo, no centro, oeste e sul de Minas Gerais, nas áreas serranas e no sul do Rio de Janeiro. Para os cafeicultores medidas de proteção dos viveiros e das mudas de café deverão ser adotadas a fim de evitar à queima das plantas.

 

Brasil abaixo de zero

 

O frio esperado desta massa de ar polar tem potencial para provocar temperaturas negativas no Sul e próximas de 0°C no Sudeste e no Centro-Oeste. Não se pode descartar também um risco de geada fraca até para o sul de Goiás e a nas áreas de grande altitude na divisa de Minas Gerais com o Espírito Santo, como a serra do Caparaó. Há previsão de temperaturas próximas a 10°C na Bahia e em áreas do centro-norte de Goiás. 

 

Os mapas abaixo mostram a projeção da temperatura mínima prevista para os dias 06, 07 e 08 de julho:


Fonte: Agroclima

Crédito da imagem:   


Notícias relacionadas

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada

Tempo volta a ficar seco na Região Sul

Produção de grãos cresce 3,4% e chega a 235,3 milhões

Brasil terá uma nova Política Nacional de Irrigação

Pregão desta quarta (20) surpreende e não registra boas vendas. Mesmo assim, mercado segue firme

Pregão desta sexta (15) registra mercado recuado para os dois setores. Porém, vendas podem ocorrer ao longo do dia

O pós pregão de hoje, dia 08, não deu sustentação às vendas. A sobra mínima de 6 mil sacas do feijão carioca não atraiu os compradores, que diante da firmeza dos preços, optaram pela retirada do mercado.

O pregão desta segunda-feira (28) abriu a semana com uma oferta de aproximadamente 17 mil sacas do feijão carioca, um volume considerado razoável e suficiente para manter a intenção de reajuste de preços, algo que já vem ocorrendo desde os últimos pr