Notícias

Oeste da Bahia vai ganhar o 1° polo de irrigação do NE

Reconhecido nacionalmente como celeiro produtivo, o oeste da Bahia vai ganhar o primeiro polo de irrigação do Nordeste.


A exemplo do Rio Grande do Sul e Goiás, a implantação, na Bahia, faz parte da política nacional de irrigação, traçada pelo governo federal. O tema foi amplamente discutido em evento promovido pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), em Barreiras. A Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) sediou o debate, que reuniu, durante dois dias, produtores rurais, representantes da sociedade civil e equipes técnicas de órgãos ambientais das esferas municipal, estadual e federal.

 

De acordo com o coordenador de projetos de polos de irrigação do MDR, Antônio Leite, a escolha do oeste baiano para implantação do polo se deve ao potencial agrícola da região, que é destaque nacional na produção de grãos e fibra. ?Buscamos regiões onde já existe a atividade irrigada consolidada. O intuito não é implantar a tecnologia, mas melhorá-la e até expandi-la?, pontuou.

 

Com agricultura majoritariamente sequeira, o oeste da Bahia tem apenas 8% de sua área plantada irrigada, o equivalente a 192 mil hectares. Estudos preliminares apontam potencial para ampliar, com segurança, esse percentual. ?Nenhum outro empreendimento é tão rentável economicamente, socialmente e ambientalmente quanto a irrigação. Sem falar no desenvolvimento sustentável da região. A agricultura irrigada no oeste da Bahia é bem equipada tecnicamente, fazendo o uso eficiente da água?, avaliou o professor da UFV, especialista em irrigação, Everardo Montovani, que coordena os Estudos do Potencial Hídrico do Oeste da Bahia.

 

Para a diretora de Meio Ambiente e Irrigação da Aiba, Alessandra Chaves, essa é uma importante discussão, uma vez que não se trata apenas em ampliar a área irrigada, mas de favorecer a eficiência do uso da água, garantindo segurança hídrica aos usuários do recurso natural. ?O objetivo maior é fortalecer a atividade agrícola, com vistas na sustentabilidade. O polo como ele é pensado e estruturado vai desenvolver tanto a agricultura irrigada quanto a de sequeiro; tanto o pequeno produtor, quanto o de médio e grande porte; beneficiando o Cerrado e o Vale, de modo que contemple não só a produção de grãos e fibra, como fruticulturas e hortaliças, porque não se pensou apenas nas áreas consolidadas, mas em todo o seu potencial de ampliação, fomentando o custeio agrícola e fortalecendo a economia da região?, destacou.

 

A chegada do polo de irrigação do oeste contemplará 17 municípios da região e trará benefícios diretos e indiretos à população, a exemplo da melhoria de estradas e pontes, energia e internet. O primeiro encontro para discussão da implantação do mesmo resultou na criação de um grupo gestor, formado por representantes de órgãos ambientais e de entidades de classe, que indicaram as prioridades da região. Baseada em quatro eixos (infraestrutura, legislação, assistência técnica e pesquisa), a carteira de projetos será construída em conjunto com o MDR, que ficará responsável por buscar parceiros e recursos para as obras. ?Há, ainda, a parte que não envolve obras, mas que beneficiam a região, a exemplo da regulamentação de leis. O Ministério vai empenhar todo apoio às demandas?, sinalizou o representante do MDR.

 

O presidente da Aiba, Celestino Zanella, destacou ainda a pluralidade de entidades públicas e privadas que participaram da discussão. ?Convém ressaltar a importância de receber em nossa região uma equipe técnica do Ministério, que teve a sensibilidade de ver a potencialidade do oeste da Bahia e trazer para cá um debate tão importante, envolvendo todos os interessados?, disse ao citar a participação do Inema, Codevasf, Sudene, Faeb, Sindicatos dos Produtores Rurais, Bahiater, Seagri, DNR, prefeituras, assessorias e consultorias da região.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação - Aiba - Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia

 

Crédito da Imagem: grupocultivar.com.br


Notícias relacionadas

*SAFRA DAS ÁGUAS PARANÁ 2019/2020*

AgroNordeste vai ajudar a reduzir as diferenças regionais

Oeste da Bahia vai ganhar o 1° polo de irrigação do NE

Safra das Águas - Sudoeste Paulista

O mercado foi firme até o fechamento do pregão de hoje. Mas neste momento segue susceptível de variação de acordo com a lei da oferta/demanda.

Produção de feijão vai crescer 487% na Bahia

O pós pregão de hoje, dia 09, não deu continuidade às vendas de forma satisfatória, pelo menos para o setor de vendas.

A semana encerra com ofertas reduzidas, preços estáveis e com poucas vendas realizadas, na zona cerealista

O último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicou que ocorrerá um significativo aumento das ofertas do feijão carioca e outros, a partir de setembro.

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia