Notícias

O pregão desta segunda-feira (28) abriu a semana com uma oferta de aproximadamente 17 mil sacas do feijão carioca, um volume considerado razoável e suficiente para manter a intenção de reajuste de preços, algo que já vem ocorrendo desde os últimos pr

Pregão desta segunda (28) abre semana em calmaria, preços firmes e mercado com tendência de novo reajuste


Pregão desta segunda (28) abre semana em calmaria, preços firmes e mercado com tendência de novo reajuste

 

O pregão desta segunda-feira (28) abriu a semana com uma oferta de aproximadamente 17 mil sacas do feijão carioca, um volume considerado razoável e suficiente para manter a intenção de reajuste de preços, algo que já vem ocorrendo desde os últimos pregões.

 

Os compradores compareceram em bom número, e novamente se depararam com o mercado firme e preços elevados. Tal cenário já é um reflexo do que acontece no ambiente das lavouras, onde neste momento prevalece a calmaria diante do recuo dos produtores, que preferem aguardar a demanda dos compradores de roça em busca de melhores negociações. Porém, notamos que esses compradores não estão obtendo total êxito, principalmente se levarmos em consideração a quantidade de mercadorias que tem chegado à zona cerealista.

 

Voltando para o ambiente do pregão de hoje cedo, vale informar que os corretores tiveram o cuidado de disponibilizar as mercadorias para embarque, já que essas acabam sendo a válvula de escape quando os compradores se mostram cautelosos diante dos preços atuais. A ideia é evitar um excessivo acúmulo de ofertas sem venda.

 

Diante da possibilidade de agitação do mercado, os compradores mais atenciosos se limitaram apenas a recolher as amostras. Essa estratégia visa buscar melhores oportunidades ao longo do dia ou da semana. Nessa intenção, qualquer mínima vantagem já é bem vinda, mesmo que neste momento a postura é segurar um pouco mais para também pressionar os corretores.

 

Os preços variam entre R$ 210,00 e R$ 365,00/sc, e diante da calmaria nas vendas, o mais prudente é observarmos a movimentação do dia, com vistas a ter acesso às possíveis mudanças que possam ter ocorrido no mercado, já que os preços seguem nominais devido a ausência de negócios ainda no pregão.

 

Feijão Preto

 

As ofertas foram poucas, chegando ao número mínimo de 1.350 sacas disponíveis. Motivados pelo ajuste do feijão carioca, os corretores também trataram de reajustar os preços do feijão preto. Com pedida inicial de R$ 300,00/sc, e sem vendas no pregão, este valor segue nominal.


Crédito da imagem:  regiaonews.com.br


Notícias relacionadas

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada

Tempo volta a ficar seco na Região Sul

Produção de grãos cresce 3,4% e chega a 235,3 milhões

Brasil terá uma nova Política Nacional de Irrigação

Pregão desta quarta (20) surpreende e não registra boas vendas. Mesmo assim, mercado segue firme

Pregão desta sexta (15) registra mercado recuado para os dois setores. Porém, vendas podem ocorrer ao longo do dia

O pós pregão de hoje, dia 08, não deu sustentação às vendas. A sobra mínima de 6 mil sacas do feijão carioca não atraiu os compradores, que diante da firmeza dos preços, optaram pela retirada do mercado.