Notícias

Mais chuva no Sul

Como vai ficar o mês de dezembro na Região Sul?


A Climatempo informa que o próximo mês deve ser mais chuvoso nesta área, inclusive com diversos pontos ultrapassando a média histórica. As perguntas que surgem na cabeça do leitor, que acompanha as notícias do nosso site, são as seguintes ?Não estamos em La Niña? Então não deveria chover menos no Sul??. Podem ficar tranquilos, vamos explicar tudo o que está acontecendo.

A resposta da primeira pergunta é sim, nós estamos sob influência do fenômeno climático La Niña, que é resfriamento anormal das águas do Oceano Pacífico Equatorial. Segundo as últimas atualizações dos órgãos de meteorologia internacional (Noaa, IRI) estamos, neste momento, com a presença de uma La Niña forte, com anomalia negativa de -1,3°C. Não significa que a La Niña será forte até o final do verão, a temperatura do Oceano deve começar a subir devagar já a partir da metade de dezembro.

 

 

E isso nos leva para a resposta da segunda pergunta: ?Então não deveria chover menos no Sul??. Para responder isso, consultamos a especialista no assunto Patricia Madeira, que nos disse o seguinte: ?Há previsão de mais chuva para o Sul no mês de dezembro do que estamos observando nos últimos meses, o que não seria esperado em anos de La Niña, mas em termos de clima, precisamos sempre olhar para todas as possíveis influências: a La Niña não é o único fenômeno que influencia o Sul do Brasil.? A meteorologista explica o real motivo dessa chuva: ?Tem modificações de temperatura acontecendo no Oceano Atlântico e no sul do Pacífico, por isso as frentes frias vão começar a passar com maior efetividade sobre o Sul, o que traz mais umidade.?  

 

 

 


por César Soares ? Agroclima


Notícias relacionadas

Paraná deve produzir 24 milhões de toneladas na safra de Verão

Com câmbio em alta, mercado de defensivos deve recuar 11% em 2020, diz Sindiveg

Área coberta com seguro rural já supera 10 milhões de hectares

Área coberta com seguro rural já supera 10 milhões de hectares

Conab lança nesta terça-feira ferramenta de acompanhamento do plantio e coleta de grãos

Conab lança nesta terça-feira ferramenta de acompanhamento do plantio e coleta de grãos

Epamig produz semente genética do feijão 'ouro vermelho' em Leopoldina

Pregão desta quarta (19) transcorre com poucas vendas, mas corretores continuam firmes e com preços em alta.

Pós pregão encerra mercado em calmaria e com perspectiva de surpresas para a próxima semana

O mercado segue paralisado e sem interesse por parte dos compradores em novas aquisições, tendo em vista que para este momento o abastecimento já foi realizado ao longo da semana.

Mercado de feijão carioca, abre em queda nesta quarta-feira, dia 05, na Zona Cerealista.

Pregão desta terça (04) registra calmaria nas vendas e compradores dando preferência ao feijão comercial

Pregão desta terça (04) registra calmaria nas vendas e compradores dando preferência ao feijão comercial

Neste momento as ofertas que circulam na zona cerealista são apenas para embarque, com exceção das mercadorias do feijão extra, que somam aproximadamente 3 mil sacas.

Ao longo do pós pregão de hoje, dia 26, observamos que os preços permaneceram firmes e os corretores em nada flexíveis no tocante às negociações. As vendas ocorreram, porém em pequena escala.

Durante o pós-pregão de hoje, dia 22, o mercado operou com boa movimentação de vendas pela modalidade de embarque. O maior volume comercializado foi do feijão carioca de padrão comercial (8,5).

Após dias de um longo feriado o pregão desta quarta-feira (21) abriu com preços em alta, ofertas reduzidas e com um mercado completamente recuado.

Primeira safra do Feijão carioca ? Minas Gerais e Goiás

Mercado abre semana com preços em alta e vendas tímidas, porém com tendência de melhorar a movimentação

Nem sempre a sexta-feira é sinônimo de término de vendas. E nessa perspectiva observamos que o pós pregão de hoje foi bem atípico.