Notícias

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Grupo Vittia apresenta pesquisas que atestam um positivo custo benefício no uso da linha Biomax de inoculantes no feijoeiro


Para o Grupo Viittia, sediado em São Joaquim da Barra (SP), o feijão, ingrediente obrigatório na mesa do brasileiro, vem se mostrando também um prato cheio para o segmento de inoculantes. A cultura, bastante presente em estados como Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Paraná, faz uso extensivo de adubação nitrogenada mas começa a abrir espaço também aos inoculantes para a fixação biológica do nitrogênio.

?Nosso grande desafio agora é ganhar a confiança do agricultor em relação às vantagens e custo benefício da aplicação do inoculante na cultura do feijão?, afirma Viviane C. Martins Bordignon, gerente desse segmento de produtos do Grupo Vittia. Embora a eficiência desse processo ainda não esteja no mesmo nível daquele alcançado com a soja, os resultados de pesquisas e, principalmente, da coinoculação nas últimas cinco safras de feijão são positivos e abrem boas perspectivas.

Com a aplicação do Biomax Feijão e do Biomax Azum (tecnologia da coinoculação - uso de duas ou mais bactérias), a produtividade superou os 3 mil kg/ha de feijão, número superior ao alcançado com adubação nitrogenada. Além de uma melhor lucratividade, apresenta também a vantagem da sustentabilidade ambiental reduzindo a emissão de gases do efeito estufa.

O Grupo Vittia já possui um conjunto de trabalhos de pesquisa e campos demonstrativos que comprovam a eficácia dos inoculantes Biomax na inoculação e coinoculação do feijoeiro, o que permite antecipar um representativo crescimento da companhia nesse mercado nos próximos anos. As vantagens são atrativas: alta concentração de bactérias, diferentes formulações, flexibilidade de uso, adequado fornecimento de nitrogênio, eficácia comprovada no campo, garantia de rentabilidade e balanço sustentável.


Fonte: Portal Agronegocios

Crédito de Imagem: portalagronegócios


Notícias relacionadas

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada

Tempo volta a ficar seco na Região Sul