Notícias

Feijão: área plantada em SC vem caindo

O Estado de Santa Catarina vem sofrendo com redução gradativa de área plantada de feijão nos últimos anos, especialmente pela competição com a soja e o milho.


Por serem concorrentes (todas de verão) o feijão perde quando se fala em estabilidade de preços. O Engenheiro Agrônomo e pesquisado da Epagri, João Alves, aponta que "o produtor tem que escolher: ou planta milho ou feijão, ou soja e feijão.  Muitos fazem a rotação mas o que a gente tem observado, em âmbito geral no Estado, é que a redução é crescente?, afirma.

O pesquisador ressalta que, quando se pega fatias regionais para análise, observa-se que na região de Xanxerê a área de feijão tem se mantido estável e até com crescimento da cultura. Em compensação as regiões de Joaçaba e Curitibanos a queda é acentuada. Em Chapecó o cenário também é de estabilidade.

Em Campos Novos o perfil é empresarial, grandes produtores , com grande produção e  totalmente mecanizada e o município tem força na produção de semente de soja, uma fonte muito rentável. ?Ali os produtores dão  prioridade para a soja em detrimento do feijão?, constata.

 Alves ressalta que mesmo em queda não há reflexos ao consumidor nem preços, uma vez que, a cultura é praticada em todo país, com três safras. Em Santa Catarina são apenas duas safras. Nacionalmente o feijão segue com produção estável, sem riscos de desabastecimento.  Para quem deseja plantar feijão, o pesquisador diz que, atualmente, o feijão está sendo visado para exportação. Só no ano passado foram para o mercado externo 126 milhões de toneladas do grão, sobretudo em Mato Grosso, para países da Europa e Ásia.


Fonte: Agrolink

Crédito da fonte:  Agrolink




Notícias relacionadas

O mercado foi firme até o fechamento do pregão de hoje. Mas neste momento segue susceptível de variação de acordo com a lei da oferta/demanda.

Produção de feijão vai crescer 487% na Bahia

O pós pregão de hoje, dia 09, não deu continuidade às vendas de forma satisfatória, pelo menos para o setor de vendas.

A semana encerra com ofertas reduzidas, preços estáveis e com poucas vendas realizadas, na zona cerealista

O último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicou que ocorrerá um significativo aumento das ofertas do feijão carioca e outros, a partir de setembro.

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%