Notícias

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

O recorde anterior foi da safra 2017, com 238,4 milhões de toneladas de grãos


Em julho, a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas para 2019 foi estimada em 239,7 milhões de toneladas, novo recorde para a produção de grãos do país, 5,8% superior (mais 13,2 milhões de toneladas) à de 2018 (226,5 milhões de toneladas) e 1,6% acima (mais 3,7 milhões de toneladas) da estimativa de junho. A área a ser colhida foi estimada em 62,9 milhões de hectares, crescendo 3,2% frente a 2018 (mais 1,9 milhão de hectares) e 0,2% (mais 112,8 mil hectares) em relação à estimativa de junho. O recorde anterior foi da safra 2017, com 238,4 milhões de toneladas de grãos.

O arroz, o milho e a soja, os três principais produtos deste grupo, representam 92,7% da produção estimada e ocupam 87,3% da área a ser colhida. Em relação a 2018, houve acréscimos de 7,1% na área do milho e de 2,2% na área da soja, enquanto a área de arroz teve redução de 10,3%. Quanto à produção, foi estimado um aumento de 21,4% para o milho e decréscimos de 4,0% para a soja e de 12,7% para o arroz.

Para a soja, a produção estimada é de 113,2 milhões de toneladas e, para o arroz, de 10,3 milhões de toneladas. Para o milho e o algodão, as estimativas de produção são recordes: 98,8 milhões e 6,5 milhões de toneladas, respectivamente.

O volume da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas apresentou a seguinte distribuição regional: Centro-Oeste, 110,5 milhões de toneladas; Sul, 78,2 milhões de toneladas; Sudeste, 22,1 milhões de toneladas; Nordeste, 19,5 milhões de toneladas e Norte, 9,4 milhões de toneladas. Em relação à safra passada, houve incrementos de 5,1% na Região Norte, de 9,4% na Região Centro-Oeste, de 4,9% na Região Sul e de 1,8% na Região Nordeste, e decréscimo de 3,3% na Região Sudeste. Entre as Unidades da Federação, o Mato Grosso é o maior produtor, com uma participação de 28,1% na safra do país.

ESTIMATIVAS DE JULHO/2019

Em relação ao mês anterior, destacaram-se as variações nas seguintes estimativas de produção: feijão 3ª safra (10,0%), aveia (6,5%), milho 2ª safra (5,1%), algodão herbáceo (0,8%), soja (0,5%), feijão 1ª safra (0,1%), café canephora (0,0%), milho 1ª safra (-0,2%), sorgo (-0,8%), café arábica (-1,4%), arroz (-1,7%), trigo (-4,5%) e feijão 2ª safra (-4,8%). Com relação à variação absoluta, os destaques ficaram com o milho 2ª safra (3 512 767 t), a soja (603 842 t), a aveia (60 911 t), o algodão herbáceo (49 984 t), o feijão 3ª safra (46 380 t), o feijão 1ª safra (1 355 t), o café canephora (341 t), o sorgo (-21 123 t), o café arábica (-30 745 t), o milho 1ª safra (-42 929 t), o feijão 2ª safra (-58 843 t), o arroz (-175 306 t) e o trigo (-275 282 t).


CEREAIS DE INVERNO (em grão) ? A produção de trigo foi estimada em 5,8 milhões de toneladas, declínio de 4,5% em relação ao mês anterior. Para o Paraná, maior produtor brasileiro, foi estimada uma produção de 2,7 milhões de toneladas, o que representa 47,0% do total nacional. A produção e o rendimento médio apresentaram declínio de 15,8% e 16,0%, respectivamente, em relação ao mês anterior. Para o Rio Grande do Sul, segundo maior produtor brasileiro, representando 39,4% da produção nacional, foi estimada uma produção de 2,3 milhões de toneladas, um crescimento de 10,9% em decorrência das expectativas mais favoráveis quanto ao clima.

A estimativa para a produção de aveia foi de 1,0 milhão de toneladas, com alta de 6,5% em relação ao mês anterior. A área a ser colhida cresceu 6,9%, devendo alcançar 457,3 mil hectares. O rendimento médio, de 2 187 kg/ha, caiu 0,4%. Para a cevada, a produção estimada foi de 420,4 mil toneladas, com alta de 3,2% em relação ao mês anterior. A área a ser colhida alcança 107,1 mil hectares e o rendimento médio, de 3 924 kg/ha, cresceram 1,9% e 1,3%, respectivamente. Em relação a 2018, a estimativa da produção da cevada cresceu 29,3%, com a área plantada aumentando 6,7%.

FEIJAO (em grão) ? A estimativa da produção foi de 3,0 milhões de toneladas, declínio de 0,4% em relação ao mês anterior. Em relação à safra de 2018, a produção total de feijão deverá ser 1,4% maior. A 1ª safra de feijão foi estimada em 1,3 milhão de toneladas, um aumento de 0,1% na produção frente à estimativa de junho, o que representa 1 355 toneladas. Os destaques positivos couberam ao Tocantins, que teve sua estimativa de produção aumentada em 122,8%, e ao Ceará, cuja produção cresceu 1,5%. A comparação anual para a 1ª safra mostrou uma redução de 11,6% na estimativa de produção.

A 2ª safra de feijão foi estimada com uma diminuição de 4,8% frente a junho. O Paraná, maior produtor nacional para essa safra, com participação de 30,2% no total, teve um declínio de 2,7% na estimativa de produção, o que representou 9 701 toneladas a menos. Mato Grosso e Goiás estimaram decréscimos de 17,3% e 4,9% na produção, respectivamente. No Mato Grosso, a área plantada foi reduzida em 21,0% e em Goiás, 3,4%. Outras Unidades da Federação que informaram retração na estimativa de produção de feijão 2ª safra foram Santa Catarina (-17,4%) e Rio Grande do Sul (-16,1%).

Para a 3ª safra de feijão, estima-se um aumento de 10,0% na produção em relação a junho, ou mais 46 380 toneladas. O Mato Grosso teve a maior influência nesse resultado, com aumento estimado de 63,4% na produção, ou 56 261 toneladas a mais.


Fonte; IBGE

Crédito da Imagem: 


Notícias relacionadas

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada

Tempo volta a ficar seco na Região Sul