Notícias

Começa a colheita de feijão carioca no Sudoeste Paulista

Chuvas, sol e alta temperatura, abre os trabalhos no campo no sudoeste paulista.



Paraná ? 1ª safra

 

Neste momento o indicativo é de que os vinte e um núcleos regionais com plantio em andamento deverão enfrentar ocorrências de chuvas nos próximos quinze dias.

 

Tal previsão se coloca favorável para as lavouras que já apresentam três fases, sendo a germinação mais importante para o contexto.

 

Com temperaturas que devem alcançar 29º C, os próximos dias serão chuvosos e com estimativa de 3 a 26 mm, variando por região.

 

Portanto, diante de um plantio que já avançou em pelo menos 74%, o clima chuvoso será bem vindo para uma safra que depende 100% do clima.

 

Fases

 

15% - germinando

83% - vegetativo

2% - floração

 

Fonte: DERAL ? Departamento de Economia Rural

 

 

Safra Paulista

 

Início de semana bem movimentado nas lavouras paulistas. O céu aberto dá boas perspectivas para o início e conclusão dos trabalhos de campo. 

 

Porém, o estágio de dessecação causa certa apreensão, já que exige a presença de sol para que haja a produção de grãos sadios.

 

Ainda nesse contexto temos as lavouras que não estão recebendo irrigação,  com pelo menos 10 - 20% das áreas em estágio de sequeiro, e que também seguem em alerta,  por depender, da irrigação natural, ou seja, chuva.

 

Apesar do tempo nublado, em algumas regiões do sudoeste paulista ocorre pancada de chuva de forma passageira. O clima quente atinge cerca de 35º C.

 

Em contato com engenheiros agrônomos bem como alguns produtores da região, se as previsões climáticas obedecerem,  o Sudoeste paulista  pode ter entre chuvas de até 3 mm à 11 mm,  nos próximos dez dias. 

 

No geral, o que preocupa os produtores é as pancadas de chuva seguidas de altas temperaturas, uma vez que essa variação pode comprometer a qualidade dos grãos,  em lavouras que forem afetadas.

 

Vale destacar que as últimas colheitas ocorridas ainda na tarde de ontem apresentaram depreciação nos grãos. A classificação dos comerciantes da região ficou entre 8,5 e 9, ou seja, um exemplo clássico da safra de sequeiro. 

 

Preços

 

O Sudoeste paulista,  abriu a semana com preço máximo de R$ 190,00/sc. O aumento nas ofertas fez este preço cair para valores entre R$ 175,00 e R$ 180,00/sc. Por outro lado sabemos que aquelas ofertas que não apresentam manchas podem alcançar cotações maiores neste início de colheita.

 

 

 

 

Rose Almeida

Negócios & mercado


Rose Almeida

Negócios & mercado


Crédito da imagem:  Cerealista Costa 

                                             Itaí - SP 


Notícias relacionadas

Conab prevê novo recorde para safra brasileira de grãos

*SAFRA DAS ÁGUAS PARANÁ 2019/2020*

Oeste da Bahia vai ganhar o 1° polo de irrigação do NE

AgroNordeste vai ajudar a reduzir as diferenças regionais

Oeste da Bahia vai ganhar o 1° polo de irrigação do NE

Safra das Águas - Sudoeste Paulista

O mercado foi firme até o fechamento do pregão de hoje. Mas neste momento segue susceptível de variação de acordo com a lei da oferta/demanda.

Produção de feijão vai crescer 487% na Bahia

O pós pregão de hoje, dia 09, não deu continuidade às vendas de forma satisfatória, pelo menos para o setor de vendas.

A semana encerra com ofertas reduzidas, preços estáveis e com poucas vendas realizadas, na zona cerealista

O último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicou que ocorrerá um significativo aumento das ofertas do feijão carioca e outros, a partir de setembro.

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações