Notícias

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada

O Deral - Departamento de Economia Rural, vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, divulgou em seu relatório semanal, que a colheita do feijão atinge 3% da área estimada de 228,374 mil hectares, que deve ficar 7% acima dos 212,872 mil hectares cultivados na safra 2017/18.


O Deral - Departamento de Economia Rural, vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, divulgou em seu relatório semanal, que a colheita do feijão atinge 3% da área estimada de 228,374 mil hectares, que deve ficar 7% acima dos 212,872 mil hectares cultivados na safra 2017/18.


 


Segundo o órgão, 85% das lavouras estão em boas condições de desenvolvimento, 13% em situação média e 2% em situação ruim. As lavouras se dividem entre as fases de crescimento vegetativo (7%), floração (25%), frutificação (51%) e maturação (17%).


 


Ainda segundo o Deral, a produção da segunda safra de feijão em 2018/19 pode chegar a 436,146 mil toneladas, 57% acima das 277,927 mil toneladas na safra anterior. A produtividade média foi estimada em 1.910 quilos por hectare, 44% acima dos 1.330 quilos registrados na última safra.


 


Milho

 


Com relação ao milho, a estimativa é que 94% da área cultivada de 357,604 mil hectares foi colhida. A área deve ficar 8% acima dos 330,694 mil hectares cultivados na safra 2017/18. Segundo o Deral, ao todo, 96% das lavouras estão com bom aspecto, 13% em condições médias e 1% em situação ruim. As lavouras estão na fase maturação (100%).


 


A produção da primeira safra de milho em 2018/19 pode atingir 3,116 milhões de toneladas, 7% acima das 2,907 milhões de toneladas na safra anterior. A produtividade média foi estimada em 8.714 quilos por hectare, 1% abaixo dos 8.792 quilos por hectare da última safra.


 


AgroclimaPro

 


Para saber se o melhor caminho é aguardar ou seguir em frente com o plantio você pode contar com o Agroclima PRO, serviço de agrometeorologia de precisão da Climatempo. Com o ele é possível acompanhar os índices de umidade no solo e a previsão de chuva para sua região e, ainda melhor, para a sua fazenda! Nessa safra, a atenção em relação ao melhor momento para o plantio será fundamental para garantir a uniformidade das lavouras. Confiar nas previsões e na expertise da principal empresa privada de meteorologia do país será fundamental para garantir o sucesso da safra que está prestes a iniciar! 



Acerte na sua safra! Assine agora mesmo o Agroclima PRO


Acesse: https://agroclimapro.com.br/

Crédito da imagem:  climatempo.com.br


Notícias relacionadas

O mercado foi firme até o fechamento do pregão de hoje. Mas neste momento segue susceptível de variação de acordo com a lei da oferta/demanda.

Produção de feijão vai crescer 487% na Bahia

O pós pregão de hoje, dia 09, não deu continuidade às vendas de forma satisfatória, pelo menos para o setor de vendas.

A semana encerra com ofertas reduzidas, preços estáveis e com poucas vendas realizadas, na zona cerealista

O último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicou que ocorrerá um significativo aumento das ofertas do feijão carioca e outros, a partir de setembro.

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão