Notícias

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Os cientistas da UC Riverside, nos Estados Unidos, decodificaram o genoma do feijão mais resistente do mundo, oferecendo esperança para alimentar a população em expansão da Terra, especialmente à medida em que o clima muda.


Entender os genes responsáveis pela seca e tolerância ao calor dessa espécie pode ajudar a cultivar outras culturas mais difíceis também. 


Esses feijões, também chamados de ?ervilhas de olhos pretos? têm sido um alimento dietético global durante séculos devido à sua resistência ambiental e qualidades nutricionais excepcionais, como alta proteína e baixo teor de gordura. Na África Subsaariana, eles continuam sendo a fonte número um de proteína na dieta humana. 

Um genoma é a coleção completa de códigos genéticos que determinam características como cor, altura e predisposição a doenças. Todos os genomas contêm sequências de DNA altamente repetitivas que o professor de Ciência da Computação da UCR e o Colíder do projeto, Stefano Lonardi, comparam a ?centenas de milhares de peças de quebra-cabeças idênticas?. 

Lonardi descreveu o processo de descobrir como as sequências de quebra-cabeças se encaixam como ?computacionalmente desafiador?. Para fazer isso, a equipe de Lonardi montou o genoma muitas vezes com diferentes ferramentas e parâmetros de software. Em seguida, eles criaram um novo software capaz de mesclar essas várias soluções de genoma em uma única imagem completa. 

Com o sucesso deste projeto, a ervilha de olhos pretos une-se a apenas algumas das principais culturas cujos genomas foram totalmente sequenciados. O trabalho da equipe no projeto foi publicado na edição de junho do The Plant Journal, onde foi apresentado como matéria de capa, e o software livre da Lonardi pode ser baixado online.

Fonte: Agrolink

Crédito da imagem:  Agrolink


Notícias relacionadas

O mercado foi firme até o fechamento do pregão de hoje. Mas neste momento segue susceptível de variação de acordo com a lei da oferta/demanda.

Produção de feijão vai crescer 487% na Bahia

O pós pregão de hoje, dia 09, não deu continuidade às vendas de forma satisfatória, pelo menos para o setor de vendas.

A semana encerra com ofertas reduzidas, preços estáveis e com poucas vendas realizadas, na zona cerealista

O último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicou que ocorrerá um significativo aumento das ofertas do feijão carioca e outros, a partir de setembro.

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%