Notícias

Brasil terá uma nova Política Nacional de Irrigação

A ministra Tereza Cristina anunciou em Petrolina (PE), que o país terá uma nova Política Nacional de Irrigação.


A ministra Tereza Cristina anunciou em Petrolina (PE), que o país terá uma nova Política Nacional de Irrigação. Segundo ela, foi criado um grupo interministerial formado pelas pastas da Agricultura, Desenvolvimento Regional, Economia e Ciência e Tecnologia para estudar e determinar as melhores técnicas e iniciativas para aprimorar a agricultura irrigada no país.

 

A ministra também manifestou preocupação com a produção de açúcar e álcool na região. Ela disse que só o estado de Alagoas tem seis ou sete usinas de cana-de-açúcar fechadas e parte delas pode voltar a produzir. Por isso, já está conversando com o Banco do Nordeste e vai conversar também no BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) para tentar reativar a produção tendo como base o modelo do cooperativismo, que considera ideal para a região. 

 

Tereza Cristina anunciou também que o novo zoneamento da cana-de-açúcar está praticamente pronto e lembrou que outros estados, como Mato Grosso do Sul, também estão à espera do novo zoneamento.

 

Tereza Cristina disse que é preciso encontrar uma forma de concluir as obras dos tabuleiros como o de Parnaíba, no Piauí, que só tem uma parte em funcionamento de forma a aumentar a rentabilidade dos projetos, oferecer mais empregos e desenvolver as regiões onde eles foram construídos.

 

Em Petrolina, a ministra visitou um centro de pesquisa de melhoramento genético do milho e depois foi até Juazeiro, na Bahia, onde visitou uma agroindústria de frutas. A ministra irá conhecer também uma produção de frutos com baixa utilização de agroquímicos e acompanhará uma apresentação sobre irrigação, energia fotovoltaica e inovações. 

 

Fonte: Mapa

 

Como a irrigação complementar é importante. Veja no Agrotalk a vídeo aula do pesquisador e Engenheiro Agrônomo Fernando Braz Tangerino sobre a evolução irrigada. Clique aqui 

 

AgroclimaPro

 

Para saber se o melhor caminho é aguardar ou seguir em frente com o plantio você pode contar com o Agroclima PRO, serviço de agrometeorologia de precisão da Climatempo. Com o ele é possível acompanhar os índices de umidade no solo e a previsão de chuva para sua região e, ainda melhor, para a sua fazenda! Nessa safra, a atenção em relação ao melhor momento para o plantio será fundamental para garantir a uniformidade das lavouras. Confiar nas previsões e na expertise da principal empresa privada de meteorologia do país será fundamental para garantir o sucesso da safra que está prestes a iniciar! 


Acerte na sua safra! Assine agora mesmo o Agroclima PRO

Acesse: https://agroclimapro.com.br/


Fonte:www.climatempo.com.br


Notícias relacionadas

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada

Tempo volta a ficar seco na Região Sul

Produção de grãos cresce 3,4% e chega a 235,3 milhões

Pregão desta quarta (20) surpreende e não registra boas vendas. Mesmo assim, mercado segue firme

Pregão desta sexta (15) registra mercado recuado para os dois setores. Porém, vendas podem ocorrer ao longo do dia

O pós pregão de hoje, dia 08, não deu sustentação às vendas. A sobra mínima de 6 mil sacas do feijão carioca não atraiu os compradores, que diante da firmeza dos preços, optaram pela retirada do mercado.

O pregão desta segunda-feira (28) abriu a semana com uma oferta de aproximadamente 17 mil sacas do feijão carioca, um volume considerado razoável e suficiente para manter a intenção de reajuste de preços, algo que já vem ocorrendo desde os últimos pr