Notícias

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Com estimativa de produzir 2,8 milhões de toneladas de algodão em pluma, aumento de 31% em relação à safra 2017/2018, o Brasil deve bater dois recordes na temporada 2018/2019: produção e exportações.


Segundo dados da Abrapa (Associação Brasileira dos Produtores de Algodão), a estimativa é embarcar dois milhões de toneladas de pluma este ano, contra 1,3 milhões de toneladas da safra anterior. Se confirmado, o país alcançará o posto de segundo maior exportador mundial da fibra, atrás apenas dos Estados Unidos.


Na reta final do cultivo do algodão, a previsão é que a Bahia tenha uma produção de 1,5 milhões de toneladas (caroço e pluma) com uma produtividade de 300 arrobas /hectare. A previsão é de crescimento de 15% na produção em relação ao ano passado baseado no incremento de 25,5% de área cultivada, principalmente na região Oeste da Bahia, alcançando os 331.028 mil hectares. Os dados são da Abapa - Associação Baiana dos Produtores de Algodão.

 

O relatório mantém a expectativa da entidade para mais uma boa safra, consolidando a retomada da produção da fibra no estado depois das perdas por conta da estiagem prolongada na safra 2015/2016. A Bahia é o segundo maior produtor de algodão do Brasil, com a participação de 25% da safra nacional.

 

?Em meados de maio, as lavouras encontram-se em fase reprodutiva, em suas maiorias com estruturas do terço médio e superior já definidas, algumas situações já com 60% de destas estruturas observadas são capulhos o que sinaliza início de colheita no prazo de 30 dias.  A recomendação é que os produtores continuem firmes e atentos nos últimos cuidados em relação ao manejo no combate a pragas e doenças até a colheita, o que na maior parte das áreas agrícolas, deverá ser iniciada em junho?, reforça o presidente da Abapa, Júlio Busato.

Cerca de 40% do algodão baiano é exportado para países asiáticos, como Indonésia, Bangladesh e Vietnã, e 60% é comercializado para as indústrias têxteis no Brasil. ?Temos uma qualidade da pluma reconhecida pelo mercado e estamos tentando avançar ainda mais.O produtor tem investido em tecnologia, máquinas, insumos, variedades, buscando sempre aumentar a produtividade e reduzir o custo?, afirma Busato.

 

Segundo a Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea), a exportação do algodão atingiu recorde com o embarque de 1,04 milhão de tonelada de pluma entre julho de 2018 e abril de 2019, o que pode levar o País a se tornar o segundo maior exportador de algodão do Mundo.


Fonte: https://agroclima.climatempo.com.br/noticia/2019/05/28/bahia-preve-crescimento-de-15-na-producao-de-algodao-5143




Notícias relacionadas

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%

Boas Perspectivas para a segunda safra. O Paraná cultivou na segunda safra de feijão 229.500 hectares e espera uma produção estimada em torno de 430.000 toneladas.

Preço do feijão cai em MT devido ao início da colheita e maior oferta do produto no mercado

colheita do feijão atinge 12%

Colheita do feijão no PR atinge 3% da área estimada

Tempo volta a ficar seco na Região Sul

Produção de grãos cresce 3,4% e chega a 235,3 milhões

Brasil terá uma nova Política Nacional de Irrigação

Pregão desta quarta (20) surpreende e não registra boas vendas. Mesmo assim, mercado segue firme

Pregão desta sexta (15) registra mercado recuado para os dois setores. Porém, vendas podem ocorrer ao longo do dia

O pós pregão de hoje, dia 08, não deu sustentação às vendas. A sobra mínima de 6 mil sacas do feijão carioca não atraiu os compradores, que diante da firmeza dos preços, optaram pela retirada do mercado.

O pregão desta segunda-feira (28) abriu a semana com uma oferta de aproximadamente 17 mil sacas do feijão carioca, um volume considerado razoável e suficiente para manter a intenção de reajuste de preços, algo que já vem ocorrendo desde os últimos pr

O pregão desta segunda-feira (21) abriu as negociações em alta. A pequena oferta de aproximadamente 14 mil sacas do feijão carioca foi escoada quase na totalidade.

Pregão desta sexta (18) abre em calmaria, porém com tendência de reajuste nos valores das ofertas que ainda circulam

Pregão desta quarta (19) transcorre com poucas vendas, mas corretores continuam firmes e com preços em alta.

Pós pregão encerra mercado em calmaria e com perspectiva de surpresas para a próxima semana

O mercado segue paralisado e sem interesse por parte dos compradores em novas aquisições, tendo em vista que para este momento o abastecimento já foi realizado ao longo da semana.

Mercado de feijão carioca, abre em queda nesta quarta-feira, dia 05, na Zona Cerealista.

Pregão desta terça (04) registra calmaria nas vendas e compradores dando preferência ao feijão comercial

Pregão desta terça (04) registra calmaria nas vendas e compradores dando preferência ao feijão comercial