Notícias

A semana encerra com ofertas reduzidas, preços estáveis e com poucas vendas realizadas, na zona cerealista

A semana encerra com ofertas reduzidas, preços estáveis e com poucas vendas realizadas, na zona cerealista


Zona Cerealista


Passado o pós pregão de hoje, dia 04, ficou ainda mais claro que as alterações ocorridas nos preços ainda na  madrugada foram resultantes da necessidade do setor de vendas para escoar as mercadorias. 


O fato é que o setor preferiu flexibilizar os valores em vez de arriscar o armazenamento das ofertas que ainda circulam. 


Portanto, diante da calmaria do mercado e da firmeza dos produtores em negociar a preços menores, foi mais viável estimular as vendas na zona cerealista mesmo tendo que mexer nos preços.


Lavouras


Sabemos que ainda existem ofertas nas lavouras paulistas, mineiras e goianas. Porém, o que ainda resta pra colheita é pouco, deixando o cenário propício para o produtor manter os preços firmes. A pedida principal está em R$150,00/sc.


O Mato grosso também está produzindo. Certos de que existe uma demanda, os produtores insistem em manter as pedidas de R$ 120,00 e R$ 130,00/SC.


Nordeste


Esta semana ainda é de sol e clima quente. Alguns municipios sofrem com o clima seco, mas também existem  aquelas plantas que sofreu por excesso de chuvas.


O Estado de Pernambuco, por exemplo, enfrentou excesso de chuvas, mas neste momento o céu aberto favorece a colheita.


As comercializacoes estão entre R$ 180,00 e R$ 185,00/SC. O curioso é que informações apontam que essas mercadorias são de Goiás. 


Em Sergipe e na Bahia os preços estão em no máximo R$ 150,00/SC, com poucas ofertas até então.


Consequentemente as empresas nordestinas terão que manter o vínculo comercial com o Centro Sul.


Conclusão


Os produtores estão interagindo e se articulando. Além disso, vale esclarecer que a safra de irrigado já está finalizando.


O Nordeste aponta uma produção tímida, enquanto que a próxima colheita está prevista só para novembro. Isso deixa claro que logo ocorrerá um pequeno desequilíbrio entre oferta e demanda.


Estoques


As empresas seguem comprando apenas o necessário para atender aos pedidos. 


Portanto, não será surpresa se os preços novamente sofrerem reajuste, pois a dureza dos produtores acaba refletindo na postura dos corretores. 


Mesmo com as vendas em calmaria e alguns preços flexíveis, é notório que o mercado ainda se encontra estável.



Rose Almeida

Negócios & mercado

Crédito da imagem: promovidaamae.com.br


Notícias relacionadas

O mercado foi firme até o fechamento do pregão de hoje. Mas neste momento segue susceptível de variação de acordo com a lei da oferta/demanda.

Produção de feijão vai crescer 487% na Bahia

O pós pregão de hoje, dia 09, não deu continuidade às vendas de forma satisfatória, pelo menos para o setor de vendas.

O último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicou que ocorrerá um significativo aumento das ofertas do feijão carioca e outros, a partir de setembro.

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Inoculantes trazem novas perspectivas para a cultura do feijão

Feijão: Produtores estão convictos com possível valorização

Brasil deve plantar mais soja e menos milho, arroz, feijão e algodão

Em 10 anos, área plantada vai aumentar no BR

Cientistas decodificam feijão mais resistente do mundo

Onda de frio chega em áreas produtoras brasileiras

Mercado na zona cerealista, segue com vendas tímidas e setores cautelosos nas negociações

Feijão: área plantada em SC vem caindo

Falta de chuva prejudica 3ª safra de feijão da Bahia

Julho indica uma persistência maior da chuva no Paraná

Regiões com colheita de feijão crica em andamento

Safra foi afetada pelo clima No Paraná, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162.000 hectares e a produção foi de 247.000 toneladas. Já a segunda safra registrou uma área de 230.500 hectares e a produção inicialmente prevista era de

Bahia prevê crescimento de 15% na produção de algodão

Colheita do feijão segunda safra já ultrapassa 50%